Produção de doces e geleias ajuda no aumento da renda em Sobradinho 

Saiba quem é o CAC suspeito de matar morador de rua a tiros na Asa Sul
21 de janeiro de 2023
Fábrica Social forma 170 alunos, e nova turma fará material para hospitais
24 de janeiro de 2023
Exibir tudo

Produção de doces e geleias ajuda no aumento da renda em Sobradinho 

Produtora do Núcleo Rural Chapadinha, em Sobradinho, recebe apoio da Emater e investe na variedade de frutas da propriedade que herdou da sogra

 

Agência Brasília* | Edição: Chico Neto

 

No Núcleo Rural Chapadinha, região de Sobradinho, Maria de Fátima dos Santos Krinski descobriu na produção de doces e geleias um novo rumo para a vida. Inspirada nas receitas de sua sogra, Olga, falecida em 2009, ela procurou orientações da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do DF (Emater) e passou a investir nas espécies frutíferas da propriedade da família.

Geleias artesanais são produzidas em uma área de 7 hectares, onde foram plantadas várias espécies de árvores frutíferas| Foto: Divulgação/Emater

 

O acompanhamento dos técnicos da empresa já é feito desde 1973, quando dona Olga adquiriu a Fazenda Sunem e entrou em contato com a Emater. Com o falecimento da proprietária, a fazenda foi dividida entre seus três filhos, dos quais Emerson, marido de Fátima, ficou com uma área de 7 hectares. Entre os pertences deixados pela mãe, havia panelas, tachos de cobre e uma coletânea de receitas de doces e geleias. Fátima, então, decidiu continuar esse trabalho.

 

“Além das orientações sobre a produção dos doces e na produção das frutíferas, como poda, adubação orgânica e controle de pragas, a Emater tem sido fundamental na minha capacitação”, afirma Fátima. “Ela tem sido um braço forte como produtora, me ajudando a acessar meu cliente e a escoar meu produto.”

 

O técnico em agroindústria Fábio Costa reforça: “Os produtores atendidos pela Emater que fazem processamento de alimentos são encaminhados para os cursos de boas práticas de fabricação. Nesses cursos, é ensinado como deve ser o ambiente, bem como a qualidade do produto, formação de preço, estrutura física adequada para a produção, tipo de vestimenta, qualidade da água, rotulagem e comercialização”.

 

Quem chega ao alto nível de capacitação e qualidade do produto, explica o técnico, é convidado a participar das feiras rurais e pontos de venda organizados pela Emater. Uma das exigências da empresa é que a pessoa possa oferecer qualidade e segurança alimentar aos consumidores.

 

Trabalhar com a terra tem sido vital para Fátima, que encontrou na atividade um caminho de superação para uma vida marcada por episódios de sofrimento. Fartura de matéria-prima e gosto pela produção de doces e geleias artesanais fizeram a produtora se profissionalizar e criar a marca Doce & Poesia.

 

“Diante de toda dor que eu já vivi no passado, fazer doce traz doce para minha vida, e eu levo doçura para as pessoas”, resume. “Eu tinha duas escolhas na vida: ser amarga ou doce. Quando eu produzo doce, eu me torno uma pessoa mais doce. A poesia tem a ver com a natureza que nos ensina a beleza da vida.”

Chico Neto

Na propriedade, as centenas de árvores frutíferas variadas permitem ter pelo menos um tipo de fruta durante todos os meses do ano. Assim, Fátima comercializa todo tipo de doces e geleias nas feiras rurais, eventos com pontos de venda e sob encomenda. O carro-chefe é a goiabada cascão, mas também há produtos feitos com banana, goiaba, limão, araçá, jaca, mamão, jabuticaba, acerola, cagaita, pequi, graviola e manga. 

 

Boas práticas

 

Para chegar a esse patamar, a produtora rural teve de se aperfeiçoar. Buscou nos estudos e orientações técnicas os conhecimentos necessários para colher frutos saudáveis e empreender. Além dos cursos de boas práticas de fabricação, ela estuda agroecologia no campus de Planaltina do Instituto Federal de Brasília (IFB) e participou também do curso de empreendedorismo rural pelo programa Filhos deste Solo.

 

É com essa garra que Fátima vem reconstruindo sua história. “Assim como eu tive a experiência de ser mãe, dona de casa e encontrei nos doces uma oportunidade de ter renda, quero ajudar outras mulheres que precisam de uma oportunidade”, aponta. “Além disso, enxergo meu futuro como uma grande exportadora de doces”.

 

Ela almeja ainda a certificação de produto orgânico, processo ao qual já deu início junto aos extensionistas da Emater de Sobradinho. Além disso, para valorizar seus produtos, está estudando alternativas de utilizar embalagens biodegradáveis, investindo na sustentabilidade.

 

*Com informações da Emater