GDF entrega administração de Água Quente e anuncia investimentos na cidade

Quem é Antonio Denarium, governador de Roraima cassado por distribuir cestas básicas
15 de agosto de 2023
Policiais militares são condenados por torturar quatro jovens durante busca pela mulher de um sargento, no DF
16 de agosto de 2023
Exibir tudo

GDF entrega administração de Água Quente e anuncia investimentos na cidade

Novos equipamentos públicos, como escolas, creches e unidades básicas de saúde, são planejados para a população

 

‌Jak Spies e Josiane Borges da Agência Brasília | Edição: Chico Neto

 

Na manhã deste sábado (12), o governador Ibaneis Rocha oficializou a implantação da Região Administrativa (RA) de Água Quente, com a entrega da sede da administração regional e o anúncio de uma série de obras no local. A cidade receberá investimentos de mais de R$ 60 milhões para equipamentos públicos de saúde, educação, segurança pública, lazer e assistência social.

 

 

Cidade cresceu e precisava de infraestrutura: governo já deu a largada para levar qualidade de vida aos moradores | Foto: Anderson Parreira/Agência Brasília

 

“É uma cidade que precisava se consolidar;  são mais de 30 mil habitantes que estão a 40 km do Distrito Federal e que estavam integralmente abandonados – nem eram Goiás, nem eram do Distrito Federal”, ressaltou Ibaneis. “E hoje a gente assume isso aqui, já com muitos projetos para a cidade: construção da feira, unidade básica de saúde, escolas, creches. Nós vamos consolidar essa cidade e trazer todos os equipamentos públicos.”

 

 

Novos tempos

 

O chefe do Executivo ressaltou que o GDF não medirá esforços para investir em Água Quente, para que a população se sinta verdadeiramente amparada: “Nós vamos construir tudo isso aqui, ainda neste governo, para consolidar a região administrativa de Água Quente e para que a população daqui tenha o prazer de dizer que mora em uma cidade que tem tudo o que é necessário. Vamos investir aqui, assim como fizemos no Sol Nascente, onde os investimentos já passam de R$ 300 milhões”.

 

Moradora da cidade, a nova administradora regional, Lúcia Gomes, informou que a sede atenderá as demandas da população, fazendo uma mediação com órgãos do GDF para suprir as necessidades dos moradores. “A população aguardava muito esse espaço, pois as pessoas se deslocavam para Samambaia ou para o Recanto das Emas”, observou. “Então, estávamos ansiosos para a administração começar a funcionar e os recursos chegarem para a cidade. Estou muito feliz por estar à frente desse desafio”.

 

 

A região de Água Quente já conta com três escolas – uma de ensino médio e duas de ensino fundamental –, duas creches funcionando, uma sede do Batalhão de Polícia Rural  e duas unidades básicas de saúde (UBSs). “Aqui é um setor que tem muitas chácaras, uma população carente de muitas coisas; a região cresceu muito”, lembrou a administradora. “Eu acho que o maior lazer deles é pescar, ir às cachoeiras e várias coisas que são bem características de área rural”.

 

Equipamentos públicos

 

Criada em dezembro de 2022, a Região Administrativa de Água Quente tinha a área territorial vinculada ao Recanto das Emas. A secretária de Educação, Hélvia Paranaguá, enfatizou que a implantação de mais equipamentos: “Já temos uma área para a construção de quatro escolas, e o atendimento será da creche até o ensino médio. Com elas, atenderemos todas as etapas da educação e vamos zerar a fila de espera na região”.

 

Serão uma creche, um jardim de infância, uma escola classe e um centro educacional. Para a construção das escolas, o GDF vai buscar recursos junto ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), do Ministério da Educação, enquanto as demais obras serão feitas com verba do Tesouro. Os moradores da região contarão com espaços educacionais mais perto de casa, reduzindo longos trajetos que os estudantes fazem hoje até o Recanto das Emas.

 

A cidade também vai ganhar uma feira permanente, espaços para atendimento das polícias Civil e Militar, praça e uma unidade do Centro de Referência de Assistência Social (Cras). Esses equipamentos públicos serão construídos em uma área de 55 mil m². Os projetos urbanísticos da região serão executados pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh).

 

Infraestrutura

 

A babá Luciene Santos comemora:  “Eu moro aqui há sete anos, e mudou muita coisa. Melhorou muito com a chegada da energia e água; antes, a gente vivia de gambiarra. Quando nos mudamos para cá, era bem difícil” | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

 

O presidente da Novacap, Fernando Leite, salientou que a companhia já tem projetos prontos para a infraestrutura dos espaços públicos na cidade . “Vamos priorizar a construção da UBS, das escolas; estamos com projetos prontos, e agora vamos orçar e aprovar os recursos e transformar Água Quente em uma verdadeira cidade”, declarou.

 

Mirelle de Deus Dourado, 31, é copeira e está há três anos na cidade, período durante o qual vem tentando conseguir uma vaga na creche local. Ela está entusiasmada com a inauguração da administração: “Vai trazer um desenvolvimento por estar mais perto de nós. Acho que vai mudar muita coisa”.

 

A babá Luciene Santos, 38, acompanha o desenvolvimento da região há bastante tempo. “Eu moro aqui há sete anos, e mudou muita coisa”, disse. “Melhorou muito com a chegada da energia e água; antes, a gente vivia de gambiarra. Quando nos mudamos para cá, era bem difícil. O que a gente espera agora é ter mais benefícios para a nossa cidade”.

 

Arlete Valverde Trindade, 57, é aposentada e mudou-se recentemente da Ponte Alta do Gama para Água Quente, região onde mora a maior parte de sua família. “Queria um lugar para morar, e aqui é tranquilo”, ressaltou. “Pelo que estou conhecendo, as pessoas daqui são muito boas e amigáveis”.