Policiais militares são condenados por torturar quatro jovens durante busca pela mulher de um sargento, no DF

GDF entrega administração de Água Quente e anuncia investimentos na cidade
16 de agosto de 2023
Motociclista morre após colidir com caminhão na BR-020
17 de agosto de 2023
Exibir tudo

Policiais militares são condenados por torturar quatro jovens durante busca pela mulher de um sargento, no DF

Segundo investigação, PMs acreditavam que mulher havia sido sequestrada e que grupo estava envolvido. Ao todo, 17 militares viraram réus e 5 foram condenados.

 

Por Rita Yoshimine, TV Globo

16/08/2023 18h53  Atualizado há 26 minutos

 

Cinco policiais militares, entre eles uma mulher, foram condenados por torturar quatro jovens durante a busca pela mulher de um sargento, no Distrito Federal (veja nomes mais abaixo). Segundo a investigação, os PMs acreditavam que ela havia sido sequestrada e que o grupo estava envolvido.

 

O caso foi em 2015, em São Sebastião e a sentença saiu dia 5 de julho passado. De acordo com o processo, quatro jovens — entre eles três adolescentes à época —, foram considerados criminosos por PMs do Grupamento Tático Operacional (GTOP), por suspeita de participação no sequestrado da mulher de um deles.

 

Como envolvia policiais militares, o caso foi apurado pelos Núcleos de Investigação e Controle Externo da Atividade Policial, e de Combate à Tortura, do Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT). Segundo os promotores, os jovens confessaram participação no crime porque foram torturados.

 

Policiais militares do DF, em imagem de arquivo — Foto: Reprodução/TV Globo

 

Policiais militares do DF, em imagem de arquivo — Foto: Reprodução/TV Globo

 

O suposto sequestro da mulher não aconteceu. Tempos depois, os quatro jovens foram absolvidos. Dezessete policiais do GTOP viraram réus e cinco foram condenados – todos cabos e soldados:

 

Thiago Barros de Souza: 13 anos de prisão

Camila Souza de Lacerda: 13 anos de prisão

Rafael Cotrim Barros: 4 anos e meio de prisão

Ronaldo Batista dos Santos: 9 anos de prisão

Kléber dos Santos Mota: 3 anos e 11 meses inicialmente, em regime semiaberto

 

Segundo a sentença, os cinco condenados devem perder os cargos públicos. A reportagem não conseguiu contato com a defesa dos condenados até a última atualização desta reportagem, mas eles podem recorrer da decisão.

 

O comando da PM disse que !depois da sentença, com trânsito em julgado, a corregedoria da corporação faz o devido encaminhamento para o cumprimento das determinações”.

 

Forçados a confessar o crime

 

Segundo a ação na Justiça, em 2015, no dia da notícia do suposto sequestro da mulher do PM, o próprio policial e colegas suspeitaram dos adolescentes, que moravam perto do casal. Equipes fizeram buscas e os jovens foram pegos — um na rua e três em suas casas.

 

A ação cita que os policiais entraram nos locais sem flagrante nem mandado judicial. Segundo a Justiça, os adolescentes e o jovem foram forçados a confessar mediante tortura. De acordo com o processo o grupo foi agredido com:

 

Socos, chutes, golpes de cassetetes e rasteiras

 

Murros nas pernas, peito, cabeça e pontapés em uma das vítimas. Ainda foi jogado spray de pimenta dentro do cubículo.

 

Coronhadas, choques elétricos. Sufocaram com sacola plástica, o que provocou o desmaio por algumas vezes e depois acordaram a vítima com choques elétricos.

 

Disparos de armas de eletrochoque dentro da calça da vítima, ouvido e boca

 

Os policiais ainda teriam dado um tiro de arma de fogo e dito que um já havia morrido e que faltavam outros dois, para que a vítima confessasse a participação no sequestro

 

Colocaram uma sacola plástica em sua cabeça e começaram a sufocá-lo, momento em que perguntaram por que ele havia sequestrado a “Mulher do GTOP”

 

Os promotores afirmam que, durante a investigação, fizeram reconhecimento pessoal, ouviram testemunhas, analisaram áudios gravados por testemunhas, escalas de serviço, planos de embarque e relatórios de GPS dos carros da PM.

 

A Justiça Militar do DF reconheceu que as condutas praticadas pelos policiais causaram nas vítimas intenso sofrimento físico e mental, “pois perpetuaram por longo período de tempo, em locais variados” e salientou a grande extensão do dano: uma das vítimas ficou traumatizada e teve que se mudar do DF — a família vendeu o imóvel, por medo.