Alfabetização na idade certa ganha impulso de R$ 3 bi com novo programa

Ao menos 345 crianças e adolescentes foram resgatados do trabalho escravo neste ano
12 de junho de 2023
Agricultura do Brasil vai ter 4 safras recordes em 2023
13 de junho de 2023
Exibir tudo

Alfabetização na idade certa ganha impulso de R$ 3 bi com novo programa

Iniciativa do governo federal foi lançada no Palácio do Planalto com a adesão do GDF. Destaque na educação pública, Distrito Federal tem o menor índice de analfabetos do país

 

Ian Ferraz, da Agência Brasília | Edição: Vinicius Nader

 

O governador Ibaneis Rocha participou nesta segunda-feira (12) do lançamento do Compromisso Nacional Criança Alfabetizada, programa do governo federal com o objetivo de garantir que 100% das crianças brasileiras estejam alfabetizadas ao final do 2º ano do ensino fundamental. A iniciativa terá investimento de R$ 3 bilhões nos próximos quatro anos.

 

Além da alfabetização na idade correta, prevista no Plano Nacional de Educação (PNE), o programa vai trabalhar na recomposição das aprendizagens, prejudicadas pela pandemia de covid-19.

 

O programa foi lançado e detalhado durante evento no Palácio do Planalto pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e pelo ministro da Educação, Camilo Santana.

 

O programa vai trabalhar na recomposição das aprendizagens, prejudicadas pela pandemia de covid-19 | Fotos: Renato Alves/ Agência Brasília

 

Para o governador Ibaneis Rocha, o retorno de cada centavo investido na educação é incalculável. “A educação transforma a vida das pessoas, traz oportunidades e amplia a visão de mundo. Diria que a alfabetização é o pilar do ensino na vida de um aluno, e iniciativas nesse sentido contam com o nosso apoio”, destacou o chefe do Executivo.

 

Em seu discurso, o presidente Lula falou em resgatar e melhorar a qualidade do ensino público. “Não melhorou de acordo com a necessidade da população. Tem quem gaste quase metade do salário para garantir que o filho estude na rede particular porque a rede pública ainda não garante que o ensino seja perfeito para o nosso povo. Queremos dar um passo para que as crianças saiam preparadas no ensino fundamental”, afirmou.

 

DF tem a menor taxa de analfabetismo do país

 

Secretária de Educação, Hélvia Paranaguá: “Esse é um projeto que a gente quer muito aplicar e quer ver ampliado no país todo”

 

No Brasil, o DF é a Unidade da Federação com o menor percentual de pessoas analfabetas de 15 anos ou mais. É o que revelou pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada na última semana. ‌

 

Em 2022, a capital da República tinha 47 mil pessoas dessa faixa etária iletradas, o que equivale a uma taxa de 1,9% de analfabetos – bem abaixo da registrada no Brasil, de 5,6%, e de estados em que esse percentual está próximo a 15%. A rede pública de ensino do DF tem cerca de 472 mil estudantes distribuídos em 827 escolas.

 

“O DF tem um índice baixo de analfabetismo, mas é importante ressaltar que a criança tem que ser alfabetizada na idade certa. Um ano que ela sai da escola, que ela evade, já fica com a distorção idade/ano. Isso é ruim porque ela vai levando essa distorção para o resto dos seus dias escolares, então esse é um projeto que a gente quer muito aplicar e quer ver ampliado no país todo”, avalia a secretária de Educação, Hélvia Paranaguá.

 

A alfabetização tem efeitos econômicos e até na saúde pessoal em todos os estados, municípios e DF. Pesquisa do Instituto Insper, de 2017, revelou que uma pessoa alfabetizada tem o dobro da renda de uma não alfabetizada, 26% mais chances de obter um trabalho formal e 11% mais chances de ter uma boa saúde.

 

“A leitura é fundamental, é o pilar e a base de tudo. A educação parte exatamente em cima da alfabetização. A criança já tem aquele momento na pré-escola da socialização, mas o ato de ser alfabetizado é a abertura para o mundo, é maravilhoso”, acrescenta Hélvia Paranaguá.

 

No cenário mundial, o país tem um longo caminho a percorrer. Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o Brasil ficou à frente de apenas cinco países em avaliação internacional de alfabetização, aplicada em 65 nações.

 

“Queremos garantir que 100% das crianças brasileiras sejam alfabetizadas ao fim do segundo ano do ensino fundamental, cumprindo o PNE. Uma pesquisa do Inep mostrou que mais da metade das nossas crianças não sabem ler e escrever. O MEC vai apoiar com bolsas de estudo, formação de gestores e material didático para estados, municípios e o DF”, pontuou o ministro da Educação, Camilo Santana.

 

De acordo com a diretora da Escola Classe 05 do Guará, Zuleide Moura e Silva, o programa será um grande apoio para que o ensino público do DF mantenha seus índices de alfabetização.

 

“É magnífico quando o aluno descobre que ele sabe ler, por isso é importante que todos façam esse compromisso e abracem a causa. Nosso trabalho é contínuo, não para, e sempre temos que procurar novas formas de alfabetizar e incentivar, porque com apoio e estratégia você consegue, sim, alfabetizar as crianças na idade certa”, avalia.