Ao menos 345 crianças e adolescentes foram resgatados do trabalho escravo neste ano

Empreender DF vai injetar R$ 1 bilhão na economia local
12 de junho de 2023
Alfabetização na idade certa ganha impulso de R$ 3 bi com novo programa
13 de junho de 2023
Exibir tudo

Ao menos 345 crianças e adolescentes foram resgatados do trabalho escravo neste ano

Ações de fiscalização foram intensificadas em razão do Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil.

 

Por Lorena Lara, g1

12/06/2023 17h30  Atualizado há 33 minutos

 

Mato Grosso do Sul e Minas Gerais são responsáveis, respectivamente, pelos dois maiores números de crianças e adolescentes encontrados em situação de trabalho infantil neste ano, segundo o Ministério do Trabalho. No Mato Grosso do Sul, foram 124 casos. Em Minas Gerais, 54.

 

As ações fiscais foram intensificadas em alusão ao 12 de junho, Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil, e ao menos 345 casos já foram identificados em todo o território nacional só em 2023. Os dados são preliminares e são apurados pela Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT).

 

Outras sete unidades federativas registraram crianças e adolescentes no trabalho infantil desde janeiro:

 

Espírito Santo: 39 adolescentes

Pernambuco: 32 adolescentes

Rio de Janeiro: 28 adolescentes

Roraima: 23 adolescentes

Ceará: 19 adolescentes

Alagoas: 19 crianças e adolescentes

Goiás: 12 adolescentes

 

Mais de 340 crianças e adolescentes foram encontrados em situação de trabalho infantil só em 2023 — Foto: Débora Klempous/Rede Peteca/Chega de Trabalho Infantil

Mais de 340 crianças e adolescentes foram encontrados em situação de trabalho infantil só em 2023 — Foto: Débora Klempous/Rede Peteca/Chega de Trabalho Infantil

 

Os menores tinham entre 8 e 17 anos no momento do resgate e alguns deles foram encontrados em atividades elencadas na Lista das Piores Formas de Trabalho Infantil, estabelecida por decreto em 2008.

 

Segundo o auditor-fiscal do trabalho Maurício Krepsky, historicamente, a maioria dos trabalhos executados por crianças e adolescentes se enquadram na lista. “Não são permitidos sequer para adultos”, sublinha.

 

A lista inclui funções que geram graves riscos e repercussões à saúde, como venda de bebidas alcoólicas, coleta de lixo, comércio ambulante em locais públicos e atuação na construção civil, em lava jatos e oficinas mecânicas.

 

No Brasil, o trabalho infantil é proibido. A CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) estabelece que adolescentes de 14 a 17 só podem ser contratados como jovens aprendizes.