PF encontra cofre lotado de dinheiro vivo em operação sobre desvios em Alagoas

Obras de mobilidade no Setor Policial têm investimento de R$ 47 milhões
1 de junho de 2023
Obras das ADEs de Ceilândia contam com investimentos de R$ 67,5 milhões
2 de junho de 2023
Exibir tudo

PF encontra cofre lotado de dinheiro vivo em operação sobre desvios em Alagoas

Cofre foi encontrado em Maceió. Ação investiga grupo suspeito de fraude em licitação e lavagem de dinheiro, em municípios de Alagoas, por meio da compra de equipamentos de robótica. Malotes de dinheiro foram identificados enquanto policiais cumpriam mandado de prisão temporária.

 

Por Isabela Camargo e Camila Bomfim, GloboNews — Brasília

 

01/06/2023 11h30  Atualizado há uma hora

 

Policiais federais encontraram um cofre lotado de dinheiro vivo nesta quinta-feira (1º) no endereço de um dos alvos em Maceió da operação Hefesto (veja mais abaixo). A ação investiga um grupo suspeito de fraude em licitação e lavagem de dinheiro, em municípios de Alagoas, por meio da compra de equipamentos de robótica.

 

[CORREÇÃO: o g1 errou ao afirmar, com base nas informações obtidas pela Polícia Federal, que a apreensão do cofre ocorreu em Brasília . A PF retificou a informação, dizendo que a apreensão ocorreu em Maceió. A reportagem foi corrigida às 17h50.]

 

Os mandados são cumpridos no DF e em três estados. Segundo a PF, houve suposta movimentação de R$ 8 milhões com as fraudes.

 

Os malotes de dinheiro foram identificados enquanto policiais federais cumpriam um dos mandados de prisão temporária em Maceió. As imagens mostram maços de reais e dólares lotando três prateleiras do cofre (veja vídeo acima).

 

Segundo a PF, a estimativa inicial é de que haja mais de R$ 4 milhões só nessa apreensão. O valor exato ainda será apurado.

 

Além do dinheiro, também foram encontrados medicamentos para a disfunção erétil no cofre.

 

Operação Hefesto

 

Dinheiro encontrado durante operação Hefesto, em Brasília — Foto: Divulgação

 

operação Hefesto investiga possíveis crimes ocorridos entre 2019 e 2022 na compra dos kits de robótica para 43 municípios no estado de Alagoas com verba do Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE).

 

A investigação apontou que a licitação incluía, de forma ilegal, restrições para direcionar os contratos a uma única empresa. As fraudes e superfaturamento geraram prejuízo ao erário de R$ 8,1 milhões e sobrepreço, com prejuízos potenciais de R$ 19,8 milhões, em relação às despesas até então analisadas.

 

São cumpridos 27 mandados de busca e apreensão em Maceió (16), Brasília-DF (8), Gravatá-PE (1), São Carlos-SP (1) e Goiânia-GO (1), além de 2 mandados de prisão temporária em Brasília, todos expedidos pela 2ª Vara Federal da Seção Judiciária do Estado de Alagoas.

 

Além dos mandados, a Justiça determinou o sequestro de bens móveis e imóveis dos investigados no valor de R$ 8,1 milhões e a suspensão de processos licitatórios e contratos entre a empresa investigada e os municípios alagoanos que receberam recursos do FNDE para aquisições de equipamentos de robótica.

 

O nome dos alvos de prisão ou de busca e apreensão não foram divulgados pela Polícia Federal.

 

Em abril de 2022, o Tribunal de Contas da União (TCU) já havia determinado ao governo federal a suspensão dos contratos e os repasses de verba para a compra de kits de robótica para escolas de Alagoas.

 

O motivo da suspensão dos contratos foram indícios de irregularidades na destinação de R$ 26 milhões, pelo Ministério da Educação e o FNDE, para aquisição do material por municípios alagoanos, no valor individual de R$ 14 mil.