Nova polícia do TSE vai caçar quem cometer “desinformação” nas eleições

Primeira creche pública do Taquari atenderá 188 crianças em período integral
16 de março de 2024
Pedestre é atingido por carro e morre com traumatismo craniano na Epia
16 de março de 2024
Exibir tudo

Nova polícia do TSE vai caçar quem cometer “desinformação” nas eleições

Nova polícia do TSE vai caçar quem cometer “desinformação” nas eleições

 

Por J.R. Guzzo

16/03/2024 08:00

 

A Suprema Justiça brasileira acaba de criar mais uma polícia eleitoral. Já tinha o TSE, um porão familiar às ditaduras, que dá ordens aos candidatos, opera as urnas para a votação e conta os votos. Cassa o mandato de deputados para atender as exigências pessoais de vingança do presidente da República. Quer cassar, agora, o mandato do senador Sergio Moro, que cometeu o crime de condenar Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

 

Chegou ao ponto máximo de sua glória quando o comissário-chefe do TSE disse em público ao ministro Alexandre de Moraes, inimigo mortal de Jair Bolsonaro, em plena cerimônia de diplomação de Lula: “Missão cumprida”. Mas mesmo o TSE que faz essas coisas todas ainda não é suficiente para o ministro Moraes e seus projetos de eliminar “a direita” da vida política brasileira. Acabam de inventar mais uma patrulha de combate à liberdade eleitoral, nova em folha, para juntar-se às esquadras já existentes.

 

“Desinformação” não existe na lei, mas tem um significado muito claro do Brasil da “corte suprema”: é tudo aquilo que possa prejudicar Lula e o PT

 

A nova tropa de vigilantes recebeu o nome de “Centro Integrado de Enfrentamento à Desinformação e de Defesa da Democracia” e a mais extraordinária missão que jamais foi dada ao serviço público do Brasil: terão de descobrir, a partir de agora, tudo o que é “desinformação” nas campanhas eleitorais e nas suas vizinhanças e, presumivelmente, punir os “desinformadores”. É mais uma alucinação. Não existe, em nenhuma lei brasileira, o delito de “desinformação” – o que quer dizer, antes de mais nada, que ninguém sabe o significado legal dessa palavra.

 

Se nem a lei sabe o que “desinformação”, tanto que essa palavra sequer aparece em nenhum dos seus textos, como o cidadão poderia saber?  O “Centro de Enfrentamento” do ministro Moraes já começa, assim, numa situação ilegal. Ninguém pode ser obrigado a fazer, ou proibido de fazer, qualquer coisa que não esteja escrita em lei. Mas, no caso, você vai ser proibido de “desinformar” – ou seja, não pode fazer uma coisa que você nem sabe o que é.

 

Ministro Alexandre de Moraes foi autor dos mandados de busca e apreensão contra parlamentares.

O ministro do STF, Alexandre de Moraes.| Foto: Jane de Araújo/Agência Senado

 

VEJA TAMBÉM:

 

Pela lógica petista, pagar dividendos para acionista da Petrobras é como um crime

“Ministério das Declarações Cretinas” é o mais produtivo do governo Lula

No Brasil atual, ditadura é considerada a melhor forma de defender a democracia

 

Uma das grandes especialidades que o complexo STF-TSE desenvolveu nestes últimos cinco anos é expedir bulas papais que tratam o cidadão brasileiro como débil mental. É o caso, mais uma vez. Quem é devoto de Lula fica encantado com os disparates que ouve dos ministros. Mas quem não é vai ficando cada vez mais certo que não pode levar a sério nada que venha deles.

 

“Desinformação” não existe na lei, mas tem um significado muito claro do Brasil da “corte suprema”: é tudo aquilo que possa prejudicar Lula e o PT. Na última campanha eleitoral, por exemplo, foi proibido dizer que Lula é um coroinha de Nicolás Maduro e outros ditadores do mesmo naipe – ou que foi condenado como ladrão pela Justiça brasileira. As informações são corretas. Mas “desinformam”, na opinião dos censores – e o povo, coitado, não tem capacidade para entender que está sendo enganado pela “direita”. O “Centro” do ministro Moraes vai resolver isso.

 

 

www.gazetadopovo.com.br