Câmara aprova projeto que recria cobrança do seguro obrigatório DPVAT

Mais 461 médicos chegam para reforçar a rede de saúde do DF
10 de abril de 2024
É tri! Com show de Thiago Santos, Ceilândia é campeão do Candangão
11 de abril de 2024
Exibir tudo

Câmara aprova projeto que recria cobrança do seguro obrigatório DPVAT

Câmara aprova projeto que recria cobrança do seguro obrigatório DPVAT

 

Por Gazeta do Povo

09/04/2024 23:26

 

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (9) o projeto que recria o seguro obrigatório de proteção às vítimas de acidentes de trânsito, o DPVAT. A proposta manteve a Caixa Econômica Federal com a gestão do fundo para pagar as indenizações. O Projeto de Lei Complementar (PLP) 233/23, do Poder Executivo, será enviado para análise do Senado.

 

O DPVAT foi extinto em 2020 durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Na ocasião, o governo argumentou que a medida tinha o objetivo de evitar fraudes e amenizar os custos de supervisão e de regulação do seguro por parte do setor público, atendendo a uma recomendação do Tribunal de Contas da União (TCU).

 

Desde 2021, a Caixa opera de forma emergencial o seguro obrigatório após a dissolução do consórcio de seguradoras privadas que administrava o DPVAT, mas os recursos até então arrecadados foram suficientes para pagar os pedidos até novembro do ano passado, informou a Agência Câmara.

 

A proposta determina que os prêmios sejam administrados pela Caixa em um novo fundo do agora denominado Seguro Obrigatório para Proteção de Vítimas de Acidentes de Trânsito (SPVAT). O texto aprovado pela Câmara foi o substitutivo do relator, deputado Carlos Zarattini (PT-SP). O PLP direciona entre 35% e 40% do valor arrecadado com o prêmio do seguro pago pelos proprietários de veículos aos municípios e estados onde houver serviço municipal ou metropolitano de transporte público coletivo.

 

O projeto inclui no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) uma penalidade equivalente a multa por infração grave no caso de não pagamento do seguro obrigatório, cuja quitação voltará a ser exigida para licenciamento anual, transferência do veículo ou sua baixa perante os órgãos de trânsito.

 

Já a transferência de recursos da arrecadação com o seguro para o Sistema Único de Saúde (SUS) deixará de ser obrigatória, passando de 50% para 40% para custear a assistência médico-hospitalar dos segurados vitimados em acidentes de trânsito. Outro repasse previsto é de 5% do total de valores destinados à Seguridade Social para a Coordenação do Sistema Nacional de Trânsito, a ser usado na divulgação do SPVAT e em programas de prevenção de sinistros.

 

O projeto prevê o reembolso de despesas com assistências médicas e suplementares, inclusive fisioterapia, medicamentos, equipamentos ortopédicos, órteses, próteses e outras medidas terapêuticas, desde que não disponíveis no SUS do município de residência da vítima do acidente.

 

Zarattini incluiu ainda cobertura para serviços funerários e reabilitação profissional para vítimas de acidentes que ficaram com invalidez parcial. Caberá ao Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) estabelecer os limites de valores a indenizar e quais despesas serão reembolsáveis.

 

Seguro DPVAT

 

A Câmara aprovou o projeto que recria o seguro obrigatório de proteção às vítimas de acidentes de trânsito, o DPVAT.| Foto: Aniele Nascimento/Arquivo/Gazeta do Povo

 

Texto foi alterado para permitir que governo abra crédito de R$ 15 bilhões

 

No mesmo projeto que recria o DPVAT, os deputados acataram uma mudança no arcabouço fiscal para antecipar do segundo bimestre para o primeiro bimestre de 2024 a possibilidade de o Executivo abrir crédito suplementar permitido na lei.

 

O valor leva em consideração a razão de crescimento adicional da receita deste ano em relação ao mesmo período de 2023. Com isso, a lei do novo regime fiscal (Lei Complementar 200/23) permite o aumento de despesa em 2024 de cerca de R$ 15,4 bilhões.

 

Esse valor corresponde à diferença entre o crescimento máximo da despesa (equivalente a 2,5% do crescimento real da receita do ano anterior) e o crescimento previsto no Orçamento deste ano (equivalente a 1,7% do crescimento real dessa mesma receita).

 

Gazeta do Povo