Tesoureiro de agência do BRB é suspeito de desviar R$ 3,5 milhões para apostar em jogos virtuais

Com repasse recorde em 2023, Pdaf agiliza manutenção de escolas do DF
21 de fevereiro de 2024
Caixa divulga editais para dois novos concursos com 4 mil vagas; veja como participar
22 de fevereiro de 2024
Exibir tudo

Tesoureiro de agência do BRB é suspeito de desviar R$ 3,5 milhões para apostar em jogos virtuais

Esquema foi denunciado pela instituição financeira, após constatar irregularidades nos registros contábeis da agência. Valores eram repassados para conta bancária pessoal do suspeito.

 

Por Marcelo Tobias, TV Globo

20/02/2024 07h25  Atualizado há um dia

 

A Polícia Civil deflagrou, na manhã desta terça-feira (20), uma operação contra um tesoureiro de uma agência do Banco de Brasília (BRB) por suposto desvio de R$ 3,5 milhões. Segundo a investigação, os valores foram usados em apostas em jogos virtuais.

 

Os agentes cumprem mandados de busca e apreensão e bloqueio de bens do servidor do banco. De acordo com a corporação, o esquema foi denunciado pela própria instituição financeira após constatar irregularidades nos registros contábeis da agência.

 

A Polícia Civil afirma que o homem usava o acesso ao cofre da agência e o conhecimento das operações de caixa para retirar dinheiro do banco e depositar em sua conta pessoal. Em seguida, ele apresentava documentos falsos para simular que as contas da tesouraria da agência estavam em ordem.

 

O suspeito é investigado pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro. Se condenado, ele pode pegar até 22 anos de prisão, segundo a Polícia Civil.

 

A operação desta terça-feira é coordenada Delegacia de Repressão à Corrupção vinculada ao Departamento de Combate a Corrupção e ao Crime Organizado (DRCOR/DECOR), com apoio do Ministério Público do DF.

 

Agências do Banco de Brasília (BRB), no Distrito Federal, em imagem de arquivo — Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

 

O que diz o BRB

 

“O BRB informa que ao identificar irregularidades cometidas por um empregado em uma agência do Banco fez o registro junto às autoridades competentes e passou a atuar em parceria com os órgãos de investigação.

 

Informa ainda que ações para investigar e coibir práticas criminosas possuem caráter sigiloso, sendo repassadas às autoridades policiais e de controle, tendo em vista risco de comprometimento de investigações em andamento.

 

Sobre o funcionário envolvido, ele foi afastado de suas funções e está sendo investigado também internamente. Os procedimentos disciplinares estão em curso e cumprem prazo legal.

 

O BRB assegura que nenhum cliente foi lesado e que a ocorrência comprova a eficácia dos meios de controle e fiscalização do banco, bem como sua transparência.”