Receita do DF investiga empresas suspeitas de sonegar R$ 160 milhões em impostos

Corpo de Bombeiros ganha reforço de 355 militares
15 de junho de 2023
Inaugurada a primeira creche pública rural da história do DF
16 de junho de 2023
Exibir tudo

Receita do DF investiga empresas suspeitas de sonegar R$ 160 milhões em impostos

Grupo também agia em outros seis estados: Bahia, Goiás, Paraíba, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e São Paulo. Investigação identificou atuação de 23 empresas no esquema.

 

Por Minane Ribeiro e Iana Caramori, TV Globo e g1 DF

16/06/2023 07h55  Atualizado há 5 horas

 

A Receita do Distrito Federal deflagrou, na manhã desta sexta-feira (16), uma operação contra empresas que faziam transporte de mercadoria sem registro fiscal para evitar o pagamento de ICMS. De acordo com a investigação, os envolvidos causaram um rombo de R$ 160 milhões nos cofres públicos do Distrito Federal.

 

O grupo agia no DF e outros seis estados: Bahia, Goiás, Paraíba, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e São Paulo. Contadores e advogados também participavam do esquema, de acordo com a Receita do DF. Até a última atualização desta reportagem, 99 autos foram lavrados.

 

A investigação identificou 23 empresas que se dividiram em três categorias: empresas autuadas, operadoras e beneficiárias. Entenda quais eram as funções de cada uma, segundo a Receita:

 

Autuadas: usavam declarações cadastrais falsas para encaminhar mercadorias sem revelar o verdadeiro emitente ou acobertar mercadorias de origem desconhecida. Os sócios-gerentes dessas empresas eram parentes;

 

Operadoras: administravam as empresas autuadas ao emitir e receber as notas fiscais do primeiro grupo de empresas e as representavam junto a bancos;

 

Beneficiárias: as que de fato se beneficiavam do esquema, usufruindo dos créditos tributários obtidos de maneira ilegal.

 

Durante as apurações, foi identificado o fornecimento de mercadorias por pessoas físicas de outros estados para as empresas investigadas. O objetivo era evitar gerar créditos de ICMS.

 

Os investigados atuavam, principalmente, nas áreas de transporte rodoviário de carga, fabricação de embalagens, comércio varejista e atacadista.

 

A Receita do DF afirma que, em virtude da operação, adotou outros procedimentos de fiscalização nas rodovias, transportadoras e no Aeroporto de Brasília.

 

Caminhões, em imagem de arquivo — Foto: Reprodução/RPC

Caminhões, em imagem de arquivo — Foto: Reprodução/RPC