Operação contra corrupção prende quatro prefeitos e cumpre mandados em 23 cidades de SC

Estrutura é a 14ª inaugurada pelo Governo do Distrito Federal desde 2023; investimento foi de cerca de R$ 940 mil
21 de junho de 2024
Projeto de lei permite publicidade em contêineres de descarte de entulho
22 de junho de 2024
Exibir tudo

Operação contra corrupção prende quatro prefeitos e cumpre mandados em 23 cidades de SC

Ação é contra possível organização criminosa comandada por grupo empresarial. Segundo MPSC, eles fraudavam licitações em conjunto com poder público.

 

Por Joana CaldasJohn Pacheco, Ânderson Silva, g1 SC e NSC TV

 

19/06/2024 09h43  Atualizado há 2 dias

 

Uma mega operação deflagrada na manhã desta quarta-feira (19) busca cumprir 11 mandados de prisão preventiva, cinco de suspensão do exercício das funções públicas e 63 de busca e apreensão em 23 cidades de Santa Catarina, uma do Rio Grande do Sul e em Brasília, informou o Ministério Público Estadual (MPSC). Quatro prefeitos foram presos. São eles:

 

Clori Peroza (PT), prefeita de Ipuaçu

Fernando de Fáveri (MDB), prefeito de Cocal do Sul

Marcelo Baldissera (PL), prefeito de Ipira

Mario Afonso Woitexem (PSDB), de Pinhalzinho 

 

Clori Peroza (Ipuaçu), Fernando de Fáveri (Cocal do Sul), Marcelo Baldissera (Ipira) e Mario Afonso Woitexem (Pinhalzinho) — Foto: Reprodução

Clori Peroza (Ipuaçu), Fernando de Fáveri (Cocal do Sul), Marcelo Baldissera (Ipira) e Mario Afonso Woitexem (Pinhalzinho) — Foto: Reprodução

 

Ao todo, são 22 prefeituras investigadas. O ex-prefeito de Ipira, Emerson Ari Reichert, e o ex-deputado federal Edinho Bez também foram alvos de mandado de busca e apreensão.

 

A operação é coordenada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) e pelo Grupo Especial Anticorrupção (GEAC).

 

Entenda o que motivou a operação:

 

A investigação é contra uma possível organização criminosa comandada por um grupo empresarial;

 

Segundo as investigações, eles fraudavam licitações e desviavam verbas, em conjunto com o poder público;

 

Sob o pretexto de prestar serviços de consultoria e de assessoramento para captação de recursos públicos, o grupo buscava firmar contratos com prefeituras sem que houvesse necessariamente a comprovação de qualquer atividade;

 

O objetivo dos contratos com indícios de fraude era para que servidores públicos, assim como agentes políticos e particulares, tivessem ganhos ilícitos por meio do recebimento de vantagens indevidas.

 

primeira fase ocorreu em setembro do ano passado com 16 mandados de busca e apreensão em quatro cidades do estado: Florianópolis, Itajaí, Blumenau e Gravatal. Diligências também ocorreram em Brasília.

 

Operação Fundraising - mandados cumpridos em Santa Catarina — Foto: MPSC/Divulgação

Operação Fundraising – mandados cumpridos em Santa Catarina — Foto: MPSC/Divulgação

 

O que diz a defesa dos prefeitos presos:

 

Em Ipuaçu, segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, uma nota oficial será divulgada ainda nesta quarta-feira (19).

 

Em Cocal do Sul, a assessoria da prefeitura confirmou a prisão do prefeito Fernando de Faveri e de um funcionário do setor de compras.

 

Em Ipira, o advogado da prefeitura disse que vai se manifestar oficialmente depois de ter acesso ao processo.

 

Em Pinhalzinho, a prefeitura divulgou uma nota informando que, por se tratar de uma investigação sigilosa, mais informações serão prestadas quando a investigação se tornar pública.

 

A NSC TV e o g1 não conseguiram contato com a defesa pessoal dos prefeitos presos, assim como do ex-prefeito e do ex-deputado alvos de mandados.

 

Centro Administrativo de Pinhalzinho, cidade alvo da operação — Foto: Rafael Souza/NSC TV

Centro Administrativo de Pinhalzinho, cidade alvo da operação — Foto: Rafael Souza/NSC TV

 

Operação Fundraising - mandados cumpridos em Santa Catarina — Foto: MPSC/Divulgação

Operação Fundraising – mandados cumpridos em Santa Catarina — Foto: MPSC/Divulgação

 

*Esta reportagem está em atualização.