Mulher de líder do Comando Vermelho se reuniu com assessores de Dino no Ministério da Justiça

Polícia Civil faz leilão de veículos no DF; lances começam nesta segunda (13)
14 de novembro de 2023
Oficializada, Arapoanga terá creche, escola, UPA e Restaurante Comunitário
14 de novembro de 2023
Exibir tudo

Mulher de líder do Comando Vermelho se reuniu com assessores de Dino no Ministério da Justiça

Mulher de líder do Comando Vermelho se reuniu com assessores de Dino no Ministério da Justiça

 

Por Roberta Ribeiro

13/11/2023 09:35

 

Luciane Barbosa Farias, conhecida como a “dama do tráfico amazonense”, integrante da facção criminosa Comando Vermelho, foi recebida duas vezes neste ano por assessores do ministro Flávio Dino, no prédio do Ministério da Justiça e Segurança Pública, em Brasília, conforme apuração do jornal O Estado de S. Paulo. Ela participou de duas audiências com dois secretários e dois diretores da pasta de Dino no curto período de três meses, embora seu nome não conste das agendas oficiais.

 

O Ministério da Justiça admitiu que a “cidadã”, como se referiu a Luciene, de fato foi recebida por secretários do ministro Flávio Dino, como parte de uma comitiva e que, portanto, teria sido impossível para o setor de inteligência ter detectado sua presença. Em geral, os ministérios costumam inserir informações sobre todos os participantes das reuniões com as autoridades, até mesmo em razão das medidas de segurança.

 

No dia 19 de março, Luciane esteve com Elias Vaz, secretário Nacional de Assuntos Legislativos de Flávio Dino. Pouco tempo depois, a 2 de maio, ela se encontrou com Rafael Velasco Brandani, titular da Secretaria Nacional de Políticas Penais (Senappen).

 

Na reunião do mês de maio, Luciane entrou no Ministério da Justiça como presidente da Associação Instituto Liberdade do Amazonas (ILA), uma ONG de defesa dos direitos dos presos. Segundo a polícia civil do Amazonas, a ONG atua em prol dos detentos ligados à facção criminosa. A organização também seria financiada com dinheiro do tráfico.

 

Audiência com Secretário de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça. Na foto está a Luciane Barbosa Farias (vestida de camisa branca e blazer preto) — Foto: Reprodução/Instagram

Integrante do Comando Vermelho esteve em duas reuniõesno Ministério da Justiça esse ano| Foto: Isaac Amorim/MJSP

 

VEJA TAMBÉM:

 

“Dama do tráfico” recebida pelo Ministério da Justiça já visitou Boulos e Janones

Quem é o líder do Comando Vermelho que teve a esposa recebida pela equipe de Flávio Dino

PCC, Comando Vermelho e Hezbollah: o triângulo do terror e do crime no Brasil

 

O marido de Luciane é Clemilson dos Santos Farias, o Tio Patinhas, que foi o número um na lista de procurados pelo governo do Amazonas até ser preso em dezembro do ano passado. Eles são casados há 11 anos e foram condenados em segunda instância por lavagem de dinheiro, associação para o tráfico e organização criminosa.

 

Luciane operava como o braço financeiro para o marido. “Exercia papel fundamental também na ocultação de valores oriundos do narcotráfico, adquirindo veículos de luxo, imóveis e registrando ‘empresas laranjas”, afirma o Ministério Público do estado. Sua atuação fez com que conquistasse a confiança da cúpula do Comando Vermelho.

 

Atualmente, Clemilson cumpre pena de 31 anos no presídio de Tefé (AM), mas ela, sentenciada a dez anos, recorre em liberdade.

 

De acordo com o Ministério Público do Amazonas, Clemilson tem “fama de indivíduo de altíssima periculosidade, com desprezo à vida alheia”. O criminoso também é conhecido por seus métodos violentos – em abril de 2019, o cartaz “devia ao Tio Patinhas” estava no rosto de um homem foi encontrado morto em Manaus.

 

Clemilson e Luciane se casaram em 30 de outubro de 2012, quando ela abriu um salão de beleza que, segundo os investigadores, era usado para lavar dinheiro do tráfico. Em dezembro de 2015, a declaração de Imposto de Renda de Luciane apresentava bens de R$ 30 mil. No ano seguinte, passou para R$ 346 mil, alta de 1.053%. O poder econômico do casal vem do tráfico de drogas.

 

Fonte: www.gazetadopovo.com.br