Depois de xingar o agro, Lula usa sucesso do campo para se promover

Câmara Legislativa celebra os 30 anos da Lei Orgânica do DF com homenagem aos constituintes
20 de junho de 2023
Adolescentes suspeitos de matar homem enquanto passeava com cachorro em Sobradinho, no DF, são apreendidos
20 de junho de 2023
Exibir tudo

Depois de xingar o agro, Lula usa sucesso do campo para se promover

Depois de xingar o agro, Lula usa sucesso do campo para se promover

 

Por Alexandre Garcia

19/06/2023 21:45

Gazeta do Povo

 

Pois é: Lula chamou o agro de fascista, de negacionista, mas se aproveitou do agro para o seu governo dizer que estamos crescendo. É que o agro cresceu 23% no primeiro trimestre, com tudo aquilo que foi plantado no ano passado, e com isso subiu o PIB. Por enquanto, são consequências, principalmente, da política monetária do Banco Central, de proteger a moeda e o crédito. Essa é a função dele. Está mantendo a taxa Selic enquanto houver sinais de inflação em outros países. Nos Estados Unidos, o banco central de lá, o Fed, aumentou a taxa de juros por dez reuniões consecutivas e agora, pela primeira vez, está mantendo para observar. Os juros lá estão entre 5% e 5,25%, o que é muito alto para os EUA. Já o Banco Central Europeu está com taxa de 4%, que também é altíssima. Todo mundo sabe que lá na Europa os bancos praticamente não pagam juros, porque o juro é baixíssimo. Esta é a mais alta taxa dos últimos 22 anos na Europa, imaginem só.

 

Mas o Congresso também fez sua parte impedindo loucuras como voltar a estatizar a Eletrobras, acabar com o Marco do Saneamento, mexer no Banco Central, agora o governo está querendo a maluquice de desfazer a reforma trabalhista. Estão falando menos nisso tudo porque não se brinca com dinheiro. Dizem que o dinheiro não aceita desaforo. É uma questão de credibilidade.

 

PIB

Agronegócio ajudou a impulsionar o PIB do primeiro trimestre.| Foto: Michel Willian/Gazeta do Povo/Michel Willian/Gazeta do Povo

 

VEJA TAMBÉM:

A descrença na Justiça brasileira afeta desde o cidadão comum até juízes

Lula tenta se aproximar do agro, é vaiado e diz bobagem outra vez

Aprovação do marco temporal foi vitória do Brasil sensato

 

Acho que poucos vão lembrar do milagre brasileiro. Eu lembro muito bem porque eu trabalhava no setor de Economia do Jornal do Brasil e cobri o milagre econômico. Delfim Netto era o mago das finanças. O presidente Médici entrava no Maracanã e sua presença era anunciada no alto-falante, porque ele recebia um aplauso incrível por causa do milagre brasileiro. Estava todo mundo empregado, o Brasil crescia 11,2% em média por ano – houve um ano em que cresceu 14%. Conto isso porque infelizmente não estamos vendo agora – ao menos eu não estou vendo – o fator que provocou o milagre brasileiro: otimismo e entusiasmo. O que estou vendo é o contrário, principalmente no agro, que está sentindo essa história de marco temporal, ameaça fundiária, apoio ao MSTMarina vetando tudo, declarações do presidente da República contra os que semeiam suor… E o segundo grande setor do PIB, o de serviços, também é atingido na área urbana, eu vejo o cuidado. Depois não vamos dizer que nos surpreendemos. Não se brinca com credibilidade, o dinheiro não aceita desaforo. Ainda bem que o Congresso reagiu, e é bom que o Congresso continue pensando a respeito disso.

 

Juíza que substituiu Moro enfim se livra da Lava Jato 

 

A juíza Gabriela Hardt, que substituiu Sergio Moro e depois foi substituída por esse Eduardo Appio, que está sob investigação por andar fazendo ameaças, enfim se livrou da Lava Jato. Ela não aguentava mais; deve ser decepção com essas coisas que nos decepcionam também. Hardt queria ir para Florianópolis, mas não conseguiu; agora, foi para a 3.ª Turma Recursal do Paraná, ainda em Curitiba. E para a 13.ª Vara Federal de Curitiba (eu acho que o número 13 caiu direitinho em cima) vai o juiz Fábio Nunes de Martino, de Ponta Grossa.