Agricultura é a maior impulsionadora da economia da Ride

Governo do Tocantins assina primeiro contrato de PPP do Estado
15 de dezembro de 2023
Inauguração de salas modulares cria 770 vagas em escolas de Planaltina
17 de dezembro de 2023
Exibir tudo

Agricultura é a maior impulsionadora da economia da Ride

Dado foi apresentado pelo IPEDF nesta sexta-feira (15), em análise do PIB da Região Integrada de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal e Entorno de 2021

 

Agência Brasília* I Edição: Débora Cronemberger

 

Nesta sexta-feira (15), o Instituto de Pesquisa e Estatística do Distrito Federal (IPEDF) apresentou a análise da atividade econômica do DF e dos municípios pertencentes à Região Integrada de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal e Entorno (Ride) e à Área Metropolitana de Brasília (AMB), permitindo um monitoramento da estrutura produtiva da região e fornecendo informações relevantes para auxiliar na tomada de decisões políticas.

 

Em 2021, o PIB da Ride totalizou R$ 328,68 bilhões e o da Área Metropolitana de Brasília, R$ 312,71 bilhões. A capital federal registrou um PIB de R$ 286,94 bilhões, participando em 87,3% do produto da Ride e 91,8% da AMB. Após a capital federal, o município de Luziânia (GO) apresentou o maior PIB dentro da região, estimado em R$ 5,44 bilhões. Já o menor valor estimado foi o de Alvorada do Norte (GO), em R$ 0,17 bilhão.

 

Analisando o crescimento econômico, o município de Cabeceiras (GO) apresentou a maior variação nominal entre os anos de 2020 e 2021, de 53,1%, e variação real de 30%, corrigindo os valores pelo IGP-M a preço de 2021. Cavalcante (GO) registrou a maior variação negativa, de 14,5%, em termos nominais, e de 27,4%, em termos reais, entre os dois períodos.

 

No que se refere à distribuição da produção entre a população, o município de Barro Alto (GO) possui o maior PIB per capita da Ride, de R$ 135,15 mil, acima do registrado na capital federal (R$ 92,73 mil). O menor valor foi do município de Novo Gama (GO), estimado em R$ 9,65 mil, quase dez vezes menor que o PIB per capita do DF, em 2021.

 

Das atividades produtivas consideradas no levantamento, a agricultura apresenta o maior valor adicionado bruto na maioria dos municípios, seguida por “Demais serviços”. A participação do valor adicionado dos grandes setores, agropecuária, indústria e serviços corresponde a 3,6%, 5,1% e 81,1% do produto da Ride, respectivamente, passando para 22,8%, 15,7% e 52,9% ao excluir o Distrito Federal.

 

A agricultura apresenta o maior valor adicionado bruto na maioria dos municípios da Região Integrada de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal e Entorno (Ride) | Foto: Tony Oliveira/Agência Brasília

 

A Ride

 

O recorte territorial da Ride foi criado pela lei complementar nº 94/1998 e regulada pelo decreto nº 7.469/2011, com o objetivo de articular ações administrativas entre a União, o Distrito Federal e os estados de Goiás e Minas Gerais em prol do desenvolvimento e redução das desigualdades regionais. Desde junho de 2018, a Ride é composta por 33 municípios e o Distrito Federal, em decorrência da inclusão de 12 municípios por meio da lei complementar nº 163.

 

Dada a sua criação e composição, a Ride não é uma região metropolitana, apesar de o espaço urbano do Distrito Federal exibir uma dinâmica metropolitana com os municípios circunvizinhos. O recorte da AMB foi apresentado na Nota Técnica nº 1/2014 da Codeplan, sendo composta por 12 municípios goianos e Brasília (DF), que assume o papel de centro polarizador.

 

Acesse aqui o relatório e assista à apresentação neste link.

 

*Com informações do IPEDF