Governo fechou 2023 com rombo de R$ 230,5 bilhões, o segundo maior da história

51ª Corrida de Reis reúne 10 mil corredores no coração de Brasília
29 de janeiro de 2024
Quarenta escolas públicas serão construídas ou reformadas em 2024
30 de janeiro de 2024
Exibir tudo

Governo fechou 2023 com rombo de R$ 230,5 bilhões, o segundo maior da história

Governo fechou 2023 com rombo de R$ 230,5 bilhões, o segundo maior da história

 

Por Rose Amantéa

Brasília

29/01/2024 12:18

 

As contas do governo federal fecharam 2023 com resultado negativo de R$ 230,5 bilhões ou 2,12% do PIB, segundo relatório divulgado nesta segunda-feira (29) pelo Tesouro. Trata-se do segundo maior rombo da história, inferior apenas ao registrado em 2020, de R$ 939 bilhões – ano em que as despesas públicas dispararam com o combate à pandemia de Covid-19.

 

O déficit primário resulta de um forte aumento da despesa, combinado a uma queda na receita. No acumulado até dezembro, a receita líquida, após transferências constitucionais, caiu 2,2% em termos reais (já descontada a inflação. Enquanto isso, o gasto público aumentou 12,5%.

 

Parte do resultado se deve ao pagamento antecipado de precatórios. Sem contar essa questão, o saldo negativo seria de R$ 138,1 bilhões – o pior desde 2019, sem contar o ano da pandemia. É esse valor que será considerado para efeito da meta fiscal do governo, uma vez que o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a regularização do estoque de precatórios fora da meta e do limite de gastos.

 

Em seu primeiro discurso como ministro, em 2 de janeiro de 2023, Haddad afirmou que não aceitaria “um resultado primário que não seja melhor do que os absurdos R$ 220 bilhões de déficit previstos no Orçamento para 2023”. À época, o ministro ainda não considerava a regularização dos precatórios.

 

Mesmo excluindo os precatórios da conta, porém, o resultado primário foi pior que o previsto por Haddad em diferentes ocasiões do ano passado. No fim de junho, por exemplo, ele declarou que o déficit seria próximo de R$ 100 bilhões no ano, cerca de 1% do PIB.

 

Os números divulgados nesta segunda refletem os resultado do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central. Tesouro e BC contabilizaram um superávit de R$ 75,7 bilhões e a Previdência. um déficit de R$ 306,2 bilhões.

 

Segundo o Ministério da Fazenda, parte do resultado decorre da compensação a estados e municípios pelas perdas que tiveram com a redução do ICMS aprovada pelo Congresso em 2022.

 

Estados e municípios, recorreram ao STF contra uma proposta do governo de Jair Bolsonaro (PL), aprovada pelo Congresso, que criou o “teto do ICMS” para produtos essenciais como combustíveis e energia elétrica.

 

“Se ainda forem deduzidos os efeitos fiscais da LC nº 201/2023, decorrente das compensações e indenizações aos estados e munícipios por renúncias fiscais realizadas pelo governo federal em 2022, o déficit apurado somaria R$ 117,2 bilhões ou 1,1% do PIB”, informa o relatório do Tesouro.

 

Em meados de 2023, Haddad falava em déficit de R$ 100 bilhões. Memo excluindo precatórios da conta, resultado final foi pior que o prometido.

Em meados de 2023, Haddad falava em déficit de R$ 100 bilhões. Memo excluindo precatórios da conta, resultado final foi pior que o prometido.| Foto: Sebastião Moreira/EFE

 

www.gazetadopovo.com.br