Barroso gastou quase R$ 1 milhão com jatinhos em três meses na presidência do STF

Programa Mais Empregos oferece 4 mil oportunidades 
5 de janeiro de 2024
Homem é espancado e morto a facadas no Paranoá, no DF
5 de janeiro de 2024
Exibir tudo

Barroso gastou quase R$ 1 milhão com jatinhos em três meses na presidência do STF

Barroso gastou quase R$ 1 milhão com jatinhos em três meses na presidência do STF

 

Por Lúcio Vaz

04/01/2024 17:00

 

O presidente do STF, Roberto Barroso, gastou R$ 922 mil com voos em jatinhos da Força Aérea Brasileira (FAB) nos três primeiros meses na presidência, o que projeta uma despesa de R$ 3,7 milhões em um ano. O valor é próximo da gastança do presidente da Câmara, Arthur Lira, com jatinhos em 2023 – R$ 3,4 milhões. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, gastou R$ 2 milhões. O roteiro de viagens de Barroso evidencia o seu caráter progressista, a proximidade com o governo Lula e uma pitada de populismo. Teve até elogio ao Bolsa Família.

 

Durante visita à Favela dos Sonhos, na periferia de São Paulo, em 6 de novembro, Barroso afirmou: “O Bolsa Família foi decisivo para tirar as pessoas da pobreza”. Mas logo completou: “Mas é preciso que as pessoas se libertem do benefício e passem a ter voo próprio”. A falta de uma “porta de saída” é principal crítica ao maior programa social do governo Lula.

 

Em 30 de novembro, no Congresso Internacional de Tribunais de Contas, em Fortaleza, Barroso afirmou que a tese que responsabiliza veículos de imprensa por fala do entrevistado foi lida de maneira “equivocada”. No mesmo evento, o ministro Gilmar Mendes afirmou que se trata de “uma pauta amiga da imprensa”. Segundo Barroso, os veículos só serão responsabilizados se publicarem entrevistas com a “intenção maldosa de fazer mal a alguém”, segundo registro do jornal O Povo.

 

Lula e Barroso

Lula e o presidente do STF, Luís Roberto Barroso.| Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

 

VEJA TAMBÉM:

Salários de seguranças elevam para R$ 6 milhões gastos com viagens da família Lula

 

Sócio honorário do Flamengo

 

No dia seguinte, um pouco de populismo. Barroso seguiu de jatinho “chapa branca” para o Rio de Janeiro, onde recebeu o título de “sócio honorário” do Flamengo, entregue pelo Conselho dos Grandes Beneméritos do clube. O presidente Arthur Lira também recebeu o título. O roteiro Brasília/Fortaleza/Rio/Brasília de jatinho custou R$ 80 mil.

 

O presidente estava à vontade no seu frenético roteiro de apresentação. No dia 5 de dezembro, ele subiu ao palco no Encontro Nacional do Poder Judiciário, em Salvador, e fez um dueto com a cantora Ana Mametto, cantando “O que é, o que é?”, de Gonzaguinha – ícone da chamada música de protesto na década de 70. Nesse evento, fez um desabafo: “A gente está sempre desagradando alguém. Essa é a vida de um tribunal constitucional independente que tem a coragem moral de fazer o que tem que fazer”.

 

Em 13 de novembro, Barroso esteve no seminário “O papel do Supremo nas democracias”, evento promovido pelo jornal Estadão e pela Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie, em São Paulo. Ainda em novembro, o ministro prestigiou o Seminário “35 anos da Constituição de 1988: Avanços e Desafios na Proteção de Direitos Fundamentais e da Democracia”, realizado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

 

A temática progressista esteve presente também na sede do Supremo. Em 5 de dezembro, o presidente assinou acordos com a Capes e a Biblioteca Nacional relativos ao Programa de Combate à Desinformação.

 

 Ministro Roberto Barroso na sessão plenária

 

VEJA TAMBÉM:

Caravana de deputados e senadores à COP 28 teve passagem de R$ 76 mil

 

Viagens sob sigilo

 

As viagens em jatinhos não são as únicas despesas nas viagens dos presidentes do STF, da Câmara e do Senado. A falta de transparência dificulta a coleta de todos os dados, mas algumas “despesinhas” são visíveis. Além de torrar R$ 3,4 milhões com jatinhos oficiais, Lira gastou mais R$ 1,38 milhão com diárias e passagens das suas equipes de segurança em viagens pelo país e mundo afora. Foram R$ 470 mil com passagens e R$ 907 mil com diárias. Assim, os gastos com viagens somaram R$ 4,8 milhões.

 

Os gastos com diárias e passagens de seguranças e assessores que acompanham as viagens do presidente do Senado não estão muito expostos. Em compensação, o Senado divulga as despesas pagas com cartões corporativos utilizados pelos servidores em viagens. Em 2023, elas somaram R$ 329 mil – quase a totalidade com passagens e despesas com locomoção. Esses dados não são divulgados pela Câmara dos Deputados.

 

O STF divulga com atraso de alguns meses as despesas com diárias e passagens aéreas de seguranças e assessores que acompanham os ministros. Os dados mais recentes são de agosto. O blog publicou recentemente os detalhes desses gastos nos dois últimos anos. As despesas com viagens dos servidores lotados no gabinete do ministro Barroso somaram R$ 402 mil. As viagens dos ministros são mantidas sob sigilo.

 

VEJA TAMBÉM:

 

Viagens e contratações: STF completa três anos sem prestar contas a ninguém

 

Conteúdo editado por:Jônatas Dias Lima

 

Lúcio Vaz

Lúcio Vaz é jornalista e cobre a política em Brasília há 30 anos, revelando mordomias, privilégios, supersalários, desvios de recursos públicos e negociatas nos três poderes. Com passagens por O Globo, Folha de S. Paulo e Correio Braziliense, ganhou os prêmios Embratel e Latinoamericano de Jornalismo Investigativo ao descobrir a Máfia dos Sanguessugas. Autor dos livros “A Ética da Malandragem – no submundo do Congresso” e “Sanguessugas do Brasil”. **Os textos do colunista não expressam, necessariamente, a opinião da Gazeta do Povo.

 

www.gazetadopovo.com.br