Primeira fase da pavimentação da via Estrutural alcança trecho de 9,6 km

Lei Aldir Blanc: Congresso aprova crédito de R$ 3 bilhões para viabilizar ações culturais nos estados e municípios
13 de julho de 2023
Filho de aliado de Lula retoma contrato com firma suspeita na Codevasf
14 de julho de 2023
Exibir tudo

Primeira fase da pavimentação da via Estrutural alcança trecho de 9,6 km

Avanço é referente às pistas no sentido Ceilândia-Plano Piloto e no sentido inverso. Trânsito na pista sul será desviado para a marginal de Vicente Pires para continuidade da obra

 

Catarina Loiola, da Agência Brasília | Edição: Vinicius Nader

 

A primeira etapa da pavimentação em concreto da via Estrutural já alcançou 9,6 km de pista – sendo 4,8 km no sentido Ceilândia-Plano Piloto e 4,8 km no sentido inverso. Atualmente, ocorrem serviços manuais, como a serragem das juntas do pavimento, o levantamento de topografia, a cura do concreto, entre outros.

 

A próxima etapa inclui a pavimentação em material rígido de 15,2 km – mais uma vez, metade no sentido Ceilândia-Plano Piloto e metade no sentido inverso. O trabalho começará pela pista sul, que leva os motoristas ao centro de Brasília.

 

A próxima etapa será a pavimentação em material rígido de 15,2 km a partir da pista sul | Fotos: Paulo H Carvalho/ Agência Brasília

 

O Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER-DF) vai interditar a pista sul e os motoristas vão trafegar pela marginal da Vicente Pires. Para isso, está sendo preparado um desvio na altura do córrego de Vicente Pires, com acessos para a Estrada Parque Taguatinga (EPTG); para a via de ligação do Setor de Inflamáveis, no Setor de Indústria e Abastecimento (SIA); e para continuar para a via Estrutural.

 

A mudança será anunciada em breve. “Daremos condições aos motoristas de usarem caminhos alternativos enquanto estivermos executando a obra”, explica o responsável pela fiscalização da obra, o diretor do 3º Distrito Rodoviário do DER, Jarbas Silva.

 

Jarbas Silva, diretor do 3º Distrito Rodoviário do DER: “Daremos condições aos motoristas de usarem caminhos alternativos enquanto estivermos executando a obra”

 

“Essa obra é muito importante porque é uma rodovia de trânsito muito intenso”, observa Silva. “Aqui, passam mais de 80 mil veículos por dia e o pavimento asfáltico já estava muito degradado. O DER elaborou esse projeto com o pavimento em concreto que vai melhorar muito o conforto dos motoristas e o custo vai reduzir bastante ao longo do tempo”, completa.

 

A obra

 

Com investimento de R$ 55 milhões, proveniente da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap), a pavimentação alcançará toda a pista nos quase 13 km no sentido Plano Piloto-Ceilândia, assim como no sentido inverso. O pavimento rígido é um material mais resistente, duradouro e de fácil manutenção. Com uma vida útil superior ao asfalto comum, suporta cargas mais pesadas, como caminhões e ônibus, sem sofrer deformações ou danos significativos, e por isso é indicado a rodovias de grande movimentação.

 

Até 2018, o DF somava 92,4 km em vias com essa tecnologia. Com obras importantes como a da Estrutural e das avenidas Hélio Prates e W3 Sul, o número salta para mais 242,3 km. O investimento estimado em todas elas é de R$ 400 milhões.

 

 

O odontólogo Luís Castro, 56 anos, afirma que o fluxo de máquinas e operários traz alguns transtornos à população, mas ressalta que o benefício final deve atingir a todos: “Quando inaugurar, tende a melhorar e muito”

 

Amigos há mais de 40 anos, o motorista de transporte escolar Raimundo Suassuna, 57 anos, e o odontólogo Luís Castro, 56, já observam os impactos positivos da pavimentação em material rígido. Para Raimundo, que reside em Vicente Pires, a intervenção deve melhorar a qualidade de vida dos moradores da região. Ele lembra como era a situação da via anteriormente.

 

“O asfalto estava muito quebrado, com remendos que são até piores que estrada de chão. Então, quando a obra terminar mesmo, vamos sentir a melhora”, afirma o motorista de transporte escolar.

 

Luís acrescenta que o fluxo de máquinas e operários traz alguns transtornos à população, mas ressalta que o benefício final deve atingir a todos: “Quando inaugurar, tende a melhorar e muito”, diz ele, que mora no Sudoeste.