Peças feitas com fibra de bananeira geram renda para artesãs de Planaltina

Motorista morre após carro bater de frente com poste na Asa Sul, em Brasília
31 de março de 2024
Inaugurado primeiro Comitê de Proteção à Mulher do Itapoã
31 de março de 2024
Exibir tudo

Peças feitas com fibra de bananeira geram renda para artesãs de Planaltina

Uma das principais atividades econômicas das mulheres do Assentamento Pequeno William, o artesanato nasceu de capacitação ofertada pela Emater-DF

 

Por Adriana Izel, da Agência Brasília | Edição: Carolina Caraballo

 

É do tronco de uma bananeira que vem parte do sustento de 12 mulheres que integram o Grupo de Artesanato do Assentamento Pequeno William, em Planaltina. Com a fibra da árvore, elas criam uma variedade de peças, como cestos, caixinhas e bandejas, que, ao serem comercializadas sob encomenda e em feiras, complementam a renda das famílias.

 

Em Planaltina, a fibra da bananeira é usada para produzir cestos, caixinhas e bandejas, entre outros produtos | Fotos: Joel Rodrigues/ Agência Brasília

 

Essa tradição existe desde 2011, quando a comunidade ainda passava pelo processo de consolidação agropecuária. Sem poder plantar nos terrenos, as mulheres foram orientadas por extensionistas da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF) a apostar no artesanato. Na época, cinco delas foram capacitadas em um curso promovido pelo órgão sobre fibras naturais. O quinteto serviu de multiplicador do conhecimento e, hoje, todas as mulheres da comunidade conhecem a técnica.

 

“Esse foi o carro-chefe para dar autossustentação para a gente. Acabou sendo uma forma de produção das famílias”, lembra a produtora e artesã Adriana Fernandes, 55 anos. Foi com o dinheiro arrecadado com as peças de fibra de bananeira que Maria Nide, 53, montou toda a sua casa e comprou o primeiro celular. “Fui juntando o dinheiro aos poucos com as encomendas que fazemos”, comenta.

 

Mais do que dar independência financeira, o artesanato é também terapia para as mulheres, propiciando um retorno à natureza. “A bananeira é muito rica, porque ela te dá tudo, te dá vida. Você pensa que depois do fruto, acabou, mas não, ela te dá renda, agrega e ainda devolve para a natureza. Temos muitos relatos de mulheres que eram depressivas e esse trabalho veio mudar a vida delas”, revela a extensionista rural da Emater-DF, Sedma Queiroz.

 

Para a também produtora e artesã Valdira Sena, 39, a fibra da bananeira transformou a realidade das mulheres do assentamento: “Foi muito bom. Até hoje agradecemos a Emater. Sem eles, não teríamos feito nada. Eles nos ajudaram em tudo. É uma atividade que nos proporciona sair de casa para participar de feiras, viajar e conhecer outras pessoas, além de nos sustentar”.

 

Capacitação

 

Gratas pelo o que a fibra de bananeira proporciona a elas, as mulheres do Grupo de Artesanato do Assentamento Pequeno William atuam desde 2020 fazendo capacitações para outras artesãs.

 

 

Extensionista rural da Emater, Sandra Evangelista afirma que o maior desafio das artesãs é a capacitação

 

O projeto tem fomento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) por meio do edital Multicultural do Fundo de Apoio à Cultura (FAC). Até agora, elas já desenvolveram duas edições e lançam em abril uma terceira, prevista para ocorrer no Coletivo Comuna Panteras Negras, no Assentamento Pequeno William.

 

 

Além disso, o grupo pretende nos próximos anos profissionalizar ainda mais o trabalho. “A nossa ideia é viver bem da nossa profissão de artesã. Queremos ter uma organização, poder tirar nossa subsistência do artesanato”, comenta Adriana Fernandes. O objetivo é reproduzir no Distrito Federal o exemplo da cadeia produtiva do Ceará.

 

Segundo a extensionista rural da Emater Sandra Evangelista, esse ainda é o maior desafio. “O que falta ainda é a capacitação, principalmente, na área de qualificação dos produtos, da decoração e do acabamento. Mas a Emater continua incentivando e apoiando os projetos delas, tanto para trazer instrutor como para apoiar a comercialização, vendendo os produtos. O Pequeno William se destacou, mas também temos grupos no Rio Preto e no Paranoá”, explica.

 

Para conhecer mais sobre o trabalho das artesãs, basta entrar em contato pelo WhatsApp (61) 99992-6201.