Foro de São Paulo se reunirá em Brasília em junho; programação inclui debate sobre “plataformas de luta” da esquerda

Desmatamento no Cerrado aumenta 83% em maio; destruição na Amazônia recua 10%
9 de junho de 2023
Multas contra desmatamento ilegal somam R$ 712 milhões em MT
9 de junho de 2023
Exibir tudo

Foro de São Paulo se reunirá em Brasília em junho; programação inclui debate sobre “plataformas de luta” da esquerda

Foro de São Paulo se reunirá em Brasília em junho; programação inclui debate sobre “plataformas de luta” da esquerda

 

Por Gazeta do Povo

09/06/2023 15:59

 

O grupo de partidos e organizações de esquerda conhecido como Foro de São Paulo (FST) vai se reunir em Brasília entre os dias 29 de junho e 2 de julho para discutir, entre outros temas, a integração dos países latino-americanos e caribenhos com governos esquerdistas e progressistas.

 

A realização do encontro no Brasil foi motivada pela eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que, desde o início do novo governo, vem tentando estreitar a relação com as nações do continente, inclusive com a ditadura venezuelana de Nicolás Maduro.

 

“A XXVI Reunião do Foro acontecerá em meio a um cenário complexo, de vitórias e também de muita luta dos povos da nossa América”, diz a apresentação do encontro. O grupo vai além, e fala que há a “necessidade de construir a integração de nossos países, proteger nossa natureza, povos e soberania, além de lutar contra os efeitos do neoliberalismo em nossa região”, convocando o que chama de “forças progressistas, populares e de esquerda” a participarem do encontro.

 

A programação de quatro dias terá discussões que envolvem desde políticas de integração dos países e governos de esquerda até a uma análise e debates sobre o uso das redes sociais e “plataformas de luta do movimento sindical e popular”, segundo explica o site do encontro sem detalhar o que deve ser discutido. Serão dois painéis voltados a esse tema ao longo de um dia inteiro.

 

Em paralelo às discussões sobre as redes sociais e “plataformas de luta”, o Foro terá encontros com mulheres e com jovens, também sem detalhar o que deve ser debatido.

 

Há, ainda, um painel voltado especificamente para a “situação brasileira e as políticas de governo”, que deve ter uma análise sobre o cenário político nacional e a própria eleição de Lula com a volta do PT ao poder. O partido, inclusive, terá uma festa de confraternização como parte da programação oficial do Foro no penúltimo dia.

 

Nesta edição, o FST vai homenagear o ex-assessor internacional de Lula, Marco Aurélio Garcia, um dos idealizadores do grupo, falecido em 2017.

 

foro de são paulo

Foro de São Paulo terá sua 26ª edição em Brasília, no fim de junho| Foto: Reprodução/Twitter

 

O que é o Foro de São Paulo?

 

Além de discutir a atual situação dos partidos e governos de esquerda na América Latina, principal foco do grupo, o encontro do Foro de São Paulo terá dois painéis sobre o “Partido da Esquerda Europeia”, que congrega 26 legendas no continente, e “Socialistas Democráticos da América”, este segundo específico sobre o panorama político dos Estados Unidos.

 

Outro painel terá discussões sobre o bicentenário da chamada Doutrina Monroe, criada em 1823 pelo presidente norte-americano James Monroe. A doutrina estabelecia a não interferência europeia no continente americano na época em que as colônias estavam passando pelo processo de independência.

 

Durante a eleição presidencial do ano passado, Lula disse que o PT articulou a criação do Foro, em 1990, para fazer uma espécie de “moderação” dos partidos de esquerda do continente e chegar ao poder sem o uso da violência. “Era só organizar um pouco o povo que a gente chegaria”, disse o então candidato em um ato em São Paulo durante a campanha.

 

Entre os principais membros do Foro de São Paulo, além do próprio PT, estão o Partido Comunista de Cuba, o Partido Socialista Unido da Venezuela e o Partido Socialista do Chile. O grupo também organiza eventos como a Jornada Mundial contra o Imperialismo e a Jornada Continental pela Democracia e contra o Neoliberalismo.