Água encanada leva cidadania para famílias do Dorothy Stang, em Sobradinho

Rede de supermercados Dia vai fechar 343 lojas no Brasil e concentrar operações em São Paulo
15 de março de 2024
O desempenho do PIB e o futuro
15 de março de 2024
Exibir tudo

Água encanada leva cidadania para famílias do Dorothy Stang, em Sobradinho

Mais da metade dos lotes existentes já assinaram os pedidos de ligação com a nova rede de abastecimento. Cerca de 3 mil pessoas terão acesso ao insumo, garantido por investimento na ordem de R$ 11,6 milhões

 

Por Catarina Loiola e Jak Spies, da Agência Brasília | Edição: Vinicius Nader

 

Abrir a torneira e encontrar água potável agora é realidade nas residências do Assentamento Dorothy Stang, em Sobradinho. O Governo do Distrito Federal (GDF), por meio da Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb), entregou os primeiros hidrômetros com ligação à nova rede de abastecimento neste sábado (9). Em construção desde agosto de 2023, a tubulação terá 9.837 metros e atenderá cerca de 3 mil moradores. Dos 757 lotes existentes na comunidade, 515 já assinaram os pedidos de ligação de água.

 

Governador Ibaneis Rocha: “Nós vamos continuar trabalhando para regularizar a área, chegando ao ponto de entregar os documentos para todos eles” | Foto: Renato Alves/ Agência Brasília

 

O assentamento está localizado no Setor Habitacional Nova Colina, a 30 km do Plano Piloto. O objetivo da Caesb é atender todo o setor de moradias com o fornecimento de água potável. Para isso, está sendo construído um sistema de cerca de 27 mil metros, com aporte na ordem de R$ 11,6 milhões, que beneficiará 17 condomínios e mais de 13 mil pessoas.

 

Na ocasião, o governador Ibaneis Rocha assinou acordo de cooperação técnica entre a Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab) e a Caesb que facilita a entrada dos moradores em programas habitacionais, por meio da troca de informações entre companhias. “O Dorothy Stang era uma grande preocupação nossa. Nós temos um compromisso com a população da região desde 2019. Conseguimos a aprovação da Área de Regularização de Interesse Social (Aris) em 2021, com o projeto de lei que foi encaminhado à Câmara Legislativa, e agora estamos com um avançado processo de regularização na Codhab, para que a gente possa dar tranquilidade àquelas famílias”, afirmou Ibaneis Rocha. “Nós vamos continuar trabalhando para regularizar a área, chegando ao ponto de entregar os documentos para todos eles”, acrescentou o governador.

 

O presidente da Caesb, Luís Antônio Reis, ressaltou que o fornecimento regular de água contribui com a qualidade de vida e cidadania da população. “É o primeiro comprovante de endereço de muitas famílias, ou seja, cidadania pura. A pessoa vai poder comprar um forninho parcelado, por exemplo, além de não ter que acordar às 4h para buscar água. Ela terá um chuveiro em casa, água para lavar a louça, e ainda vai ter um endereço em uma conta oficial de uma empresa pública”, afirmou. A companhia atende mais de 3 milhões de habitantes, abastecendo 99% dos habitantes do DF.

 

O Dorothy Stang, portanto, é a primeira área do Setor Habitacional Nova Colina a receber o serviço público. O local é considerado Área de Regularização de Interesse Social (Aris) e está em processo de regularização fundiária desde 2022. A medida permite a implantação de infraestrutura na região.

 

O administrador regional de Sobradinho, Gutemberg Tosatte, afirmou que a chegada do recurso comprova o compromisso de cuidar da região. “É uma conquista para essa comunidade, que sofre há muitos anos com esse problema, como todo setor Nova Colina. O que podemos fazer sem água, né? É um princípio básico de saneamento”, disse. Segundo ele, o assentamento ganhou oito papa-lixos novos e passa por ações recorrentes de recolhimento de inservíveis e recuperação das vias.

 

Água limpa direto da torneira

 

Joselane Ramos de Oliveira comemora: “É mais saúde, água encanada, água limpa” | Foto: Paulo H. Carvalho/ Agência Brasília

 

A dona de casa Joselane Ramos de Oliveira, 31 anos, é uma das beneficiadas com os novos hidrômetros. Ela revela que a comunidade já enfrentou dias inteiros sem acesso à água e que, em momentos de muita necessidade, juntavam dinheiro para a compra do insumo. “A gente pedia caminhão-pipa, que é muito caro e tinha que dividir entre a comunidade. Às vezes cada morador dava R$ 40 e ainda não era suficiente para todos”, relatou.

 

Agora, ela e outros moradores celebram a chegada do serviço público na região. Para Joselane, o sentimento de ver água potável saindo pelas torneiras de casa é de felicidade. “A gente vê que o governo e os órgãos públicos estão olhando pela gente, sabem que a gente está aqui, e que não estamos abandonados. É mais saúde, água encanada, água limpa”.

 

Os dias de Odete Freitas e Gustavo Henrique pegarem água no poço terminaram | Foto: Paulo H. Carvalho/ Agência Brasília

 

Apesar da pouca idade, o pequeno Gustavo Henrique, 7, participava da rotina de buscar água no poço. A tarefa ficou no passado, pois, agora, sai água limpa e tratada direto da torneira. “Era uma água meio transparente, meio marronzinha, às vezes. Vai ser melhor agora, porque a água não tem sujeira, é muito bom ter água assim, sem passar mal, nem nada. Vamos usar para tudo: comida, beber, lavar roupa, lavar prato… e tomar banho para ir à escola, claro”, comemorou o menino.

 

O fornecimento regular de água potável surtirá efeitos, ainda, para a saúde dos moradores. É o que acredita a dona de casa Odete Freitas, 51, que já é atendida pelo novo sistema da Caesb. Há oito anos no local, ela relata que diversos vizinhos já adoeceram devido ao consumo de água sem tratamento. “Agora, vamos ter a dignidade que não tínhamos antes”, contou Odete, que está contente com a normalização do serviço público. “Estamos progredindo. Vão vir continhas com o nosso nome e endereço”, celebrou.