Organização que atende crianças em vulnerabilidade é investigada por desvio de verba recebida do governo do DF

Na CPI das ONGs, indígenas denunciam ação de instituições na Amazônia
28 de junho de 2023
De 2010 a 2022, população brasileira cresce 6,5% e chega a 203,1 milhões
28 de junho de 2023
Exibir tudo

Organização que atende crianças em vulnerabilidade é investigada por desvio de verba recebida do governo do DF

Investigação aponta que, entre 2014 e 2023, organização recebeu mais de R$ 50 milhões em repasses legítimos da Secretaria de Educação.

 

Por Rita Yoshimine, TV Globo

28/06/2023 07h02  Atualizado há 3 horas

 

A Polícia Civil do Distrito Federal deflagrou, na manhã desta quarta-feira (28), uma operação que investiga uma organização da sociedade civil que tem contratos com a Secretaria de Educação e que faz a gestão de cinco creches, que atendem crianças em situação de vulnerabilidade.

 

Os agentes cumprem seis mandados de busca e apreensão em TaguatingaSão Sebastião e Núcleo Bandeirante. De acordo com a investigação, entre 2014 e 2023, a organização recebeu mais de R$ 50 milhões em repasses. Os investigadores afirmam que os contratos com a Secretaria de Educação eram legítimos.

 

Polícia Civil investiga organização que gere creches, no DF — Foto: PCDF/Reprodução

Polícia Civil investiga organização que gere creches, no DF — Foto: PCDF/Reprodução

 

TV Globo apurou que o alvo da operação é o Lar Educandário Mont Serrat. Questionada pela reportagem, a organização afirmou que não iria se posicionar no momento.

 

A Polícia Civil afirma que uma empresa de fachada foi criada, em nome de parentes de gestores da organização, para emitir notas fiscais fraudadas. Os documentos justificavam a compra de produtos e a contratação de serviços superfaturados ou não realizados. Dessa forma, o dinheiro recebido do GDF era desviado.

 

Segundo a corporação, os alvos são investigados pela possível prática de associação criminosa e estelionato contra a administração pública. Se condenados, os suspeitos podem pegar até dez anos de prisão.

 

A operação desta manhã é uma parceria da Delegacia de Repressão à Corrupção vinculada ao Departamento de Combate a Corrupção e ao Crime Organizado (DRCOR/DECOR) com o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).