Lula transfere controle de armas dos CACs para PF e restringe calibres para civis

População da Estrutural recebe campo de grama sintética renovado
21 de julho de 2023
Com prejuízo de R$ 517 milhões, TV Record demite mais de 200 funcionários
22 de julho de 2023
Exibir tudo

Lula transfere controle de armas dos CACs para PF e restringe calibres para civis

Lula transfere controle de armas dos CACs para PF e restringe calibres para civis

 

Por  Aline Rechmann

21/07/2023 12:25

 

Apuração em andamento

 

O controle de armas de Colecionadores, Atiradores e Caçadores (CACs) no Brasil passará a ser responsabilidade da Polícia Federal (PF). A determinação, feita por meio de um decreto, foi anunciada nesta sexta-feira (21), pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Atualmente o controle é feito pelo Exército Brasileiro, com base em lei.

 

O decreto assinado também retoma a restrição de armas de calibre 9 milímetros, que tiveram seu acesso liberado a civis durante o governo do ex-presidente Michel Temer (MDB). O anúncio foi feito em evento no Palácio do Planalto com a presença de Lula, do ministro da Justiça e Segurança Pública (MJSP), Flávio Dino, e autoridades da área de segurança pública.

 

De acordo com o decreto, a alteração na competência sobre o controle de armas será feita por meio de uma migração progressiva para a Polícia Federal. Sendo assim, o Exército Brasileiro deixará de ter competência sobre as atividades de caráter civil envolvendo armas e munições. O governo Lula também reduziu a validade dos registros de armas de fogo para CACs, de 10 para 3 anos.

 

O decreto também reduz a quantidade de armas e munições que podem ser adquiridas por civis, entre eles caçadores, atiradores e colecionadores (veja abaixo), passando do máximo de 60 que atiradores desportivos poderiam adquirir no governo de Jair Bolsonaro (PL) para um máximo de 16 no governo Lula para a mesma categoria.

 

Outra determinação constante no decreto foi a retomada da distinção entre as armas de uso dos órgãos de segurança e as armas acessíveis aos cidadãos comuns. Os CACs também não poderão fazer o porte de trânsito com a arma municiada.

 

“Uma coisa é o cidadão ter uma arma em casa, de proteção, de garantia. Porque tem gente que acha que ter uma arma em casa é uma segurança. Quer, tenha. Mas a gente não pode permitir que haja arsenais de armas na mão de pessoas”, disse Lula.

 

“Estamos encerrando hoje um capítulo trágico, de trevas na vida brasileira”, discursou Dino. “Hoje o senhor está assinando o decreto que põe fim definitivamente ao armamentismo irresponsável, que o extremismo político semeou nos lares brasileiros. Armas nas mãos certas e não armas nas mãos das pessoas que perpetram feminicídio. O senhor está salvando a vida de milhares de mulheres brasileiras, de crianças e adolescentes no Brasil”, completou, dizendo ainda que o decreto é “equilibrado”.

 

Segundo Dino, o “armamentismo irresponsável” fortaleceu as facções criminosas no Brasil. Ele, porém, não citou que houve redução das mortes violentas em 2022. “Quem diz que tem que entregar uma arma para cada cidadão é inimigo da polícia. O nosso governo confia na polícia e por isso nós queremos que a nossa polícia tenha a capacidade de atuar adequadamente na sociedade”.

 

dino lula andrei

Presidente da FP, Andrei Rodrigues, presidente Lula e ministro Flávio Dino participaram da cerimônia que anunciou novo decreto de armas| Foto:

 

VEJA TAMBÉM:

 

Decreto anti-CACs: o novo ataque do governo Lula às liberdades do cidadão

Mensagem postada por engano no site do Exército antecipa decreto de armas e avisa que fiscalização de CACs passará para PF

Presidente da Frente Parlamentar da Segurança negocia com governo para evitar confisco de armas

 

Veja o que o novo decreto de armas muda

 

Como era:

O civil podia comprar até 4 armas de uso permitido para a defesa pessoal, sem a necessidade de comprovação da efetiva necessidade. E havia a possibilidade de ampliação do limite.

E podia comprar até 200 munições por arma, por ano

 

Como fica:

O civil pode comprar até 2 armas de uso permitido para defesa pessoal, mas precisa comprovar a efetiva necessidade

E pode comprar até 50 munições por arma, por ano.

 

CACs

O decreto estabelece uma série de novas regras para os CACs (caçadores, atiradores desportivos e colecionadores).

 

REGRAS PARA CAÇADORES

 

Como eram:

 

Até 30 armas, sendo 15 de uso restrito

Até mil munições por arma de uso restrito, por ano

Até 5 mil munições por arma de uso permitido, por ano.

 

Como ficam:

 

Até 6 armas (PF e Exército poderão autorizar, em caráter excepcional, a compra de até 2 armas de fogo de uso restrito)

Até 500 munições, por arma, por ano

Necessidade de autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama)

 

REGRAS PARA ATIRADORES DESPORTIVOS

 

Além de reduzir o número de armas, o decreto retoma os níveis de classificação de atiradores desportivos, conforme o número de treinamentos ou competições.

 

Como eram as regras gerais:

 

Até 60 armas, sendo 30 de uso restrito;

Até 1 mil munições por arma de uso restrito, por ano (30 mil/ano);

Até 5 mil munições por arma de uso permitido, por ano. (150 mil/ano)

Até 20kg de pólvora.

Como ficam as regras para atirador de “Nível 1” (Oito treinamentos ou competições em clubes de tiro, em eventos distintos, a cada 12 meses):

Até 4 armas de fogo de uso permitido;

Até 4 mil cartuchos, por ano;

Até 8 mil cartuchos .22 LR ou SHORT, por ano.

 

REGRAS PARA COLECIONADORES

 

Como eram:

 

Até 5 armas de cada modelo;

Vedadas as automáticas, não-portáteis ou portáteis semiautomáticas cuja data de projeto do modelo original tenha menos de 30 anos.

 

Como ficam:

 

Até 1 arma de cada modelo, tipo, marca, variante, calibre e procedência;

Proibidas as automáticas e as longas semiautomáticas de calibre de uso restrito cujo 1º lote de fabricação tenha menos de 70 anos.

 

Com informações do G1 

 

Restrição de calibres

 

O decreto prevê a retomada dos parâmetros de 2018 para limites de armas curtas. Com isso, pistolas 9mm, .40 e .45 ACP voltam a ser de uso restrito. Aa armas longas de alma lisa semiautomáticas também passam a ser restritas.

 

Os CACs que já possuem armas destes calibres não vão precisar entregá-las ao governo. O decreto prevê que “serão garantidas a posse e a possibilidade de utilização dos acervos adquiridos sob a regra anterior, atendidos os critérios da concessão do registro e do apostilamento da atividade”. Porém, o governo dará prioridade para essas armas no programa de recompra.

 

Fim do porte de trânsito municiado para CACs

 

Decreto prevê que a emissão da guia de tráfego para CACs para transitar com armas de fogo registradas. As armas devem estar “devidamente desmuniciadas”, e o trajeto deve ser preestabelecido, por período pré-determinado, e de acordo com a finalidade declarada no correspondente registro.

 

Restrições para clubes de tiro

 

O decreto passa a exigir que os clubes de tiro tenham distância superior a um quilômetro em relação a estabelecimentos de ensino, públicos ou privados; que cumpram as condições de uso e armazenagem das armas de fogo utilizadas no estabelecimento, além de restringir o horário de funcionamento dos estabelecimentos entre 6h e 22h, proibindo os clubes de tiro 24h.

 

Redução da validade do registro de armas

 

O registro de armas que antes valiam por 10 anos para os CACs, agora passará a ter validade de 3 anos. As pessoas que tiverem registro concedido para fins de posse e caça de subsistência terão que fazer a renovação a cada 5 anos.

 

Confira aqui o resumo do governo sobre o novo decreto de armas e outros projetos anunciados nesta sexta-feira.

 

www.gazetadopovo.com.br