DF terá mais 17 novas creches até o fim do ano para ampliar vagas infantis

DF tem 217 vagas de emprego com salários de até R$ 7 mil nesta 3ª
2 de abril de 2024
Inauguradas novas instalações dos Bombeiros em Ceilândia
2 de abril de 2024
Exibir tudo

DF terá mais 17 novas creches até o fim do ano para ampliar vagas infantis

Previsão é de alcançar a marca de 80 Cepis construídos desde 2019. Ceilândia ganhará mais duas escolinhas voltadas para a primeira infância, uma na QNO 18 e outra na QNP 11

 

Por Thaís Miranda, da Agência Brasília | Edição: Vinicius Nader

 

O compromisso com a educação de primeira infância segue sendo uma das prioridades do Governo do Distrito Federal (GDF). Até o fim do ano, a expectativa é entregar 17 novos Centros de Educação da Primeira Infância (Cepis) e alcançar a marca de 80 unidades infantis entregues desde 2019. O investimento nas unidades soma R$ 92 milhões.

 

Nesta sexta-feira (22), o governador Ibaneis Rocha visitou o recém construído Cepi Orquídea do Cerrado, localizado na EQNP 8/12, em Ceilândia. A creche recebeu investimentos da ordem de R$ 4.318.479,16 para acolher com conforto e segurança 188 alunos em período integral. A cidade terá mais duas escolinhas, uma na quadra QNO 18 e outra na QNP 11.

 

Ibaneis Rocha: “Quando assumimos o governo, em 2019, eram 23 mil crianças que aguardavam na fila. Hoje, nós temos aproximadamente seis mil” | Fotos: Lúcio Bernardo Jr./ Agência Brasília

 

“A nossa determinação é diminuir a fila que ainda existe para conseguir uma vaga nas creches do Distrito Federal. Já conseguimos reduzir bastante. Quando assumimos o governo, em 2019, eram 23 mil crianças que aguardavam na fila. Hoje, nós temos aproximadamente seis mil. Para esse ano, temos 17 creches que ainda serão entregues e a gente vem buscando ampliar por meio da parceria com a iniciativa privada”, afirmou o chefe do Executivo.

 

Cada novo Cepi tem capacidade para atender 188 crianças em turno integral, o que representa mais 3.196 vagas para crianças de 4 meses a 3 anos nas 17 novas unidades.

 

De acordo com a secretária de Educação, Helvia Paranaguá, o objetivo é aproximar o governo da comunidade: “Estamos chegando até a população e incentivando essa etapa da primeira infância. Até o fim do ano, a nossa meta é entregar 80 Cepis construídos nos últimos cinco anos”, revelou a secretária de Educação, Helvia Paranaguá.

 

As regiões que receberão novas unidades de ensino infantil são:

 

– Samambaia (Quadra 217)
– Riacho Fundo 2 (QN 9)
– Riacho Fundo 2 (QN 7)
– Recanto das Emas (Q 510)
– Recanto das Emas (Q 109)
– Taguatinga (Setor J)
– Taguatinga (Setor L)
– Ceilândia (QNP 11)
– Ceilândia (QNO 18)
– Taquari
– Jardins Mangueiral
– Riacho Fundo (QN 14)
– Guará (EQ 17/19)
– Santa Maria (215/315)
– Estrutural
– Gama (EQ 01/02)
– Vila Telebrasília

 

 

Ambiente planejado

 

A escolinha segue o padrão definido pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que contempla 10 salas de atividades para a educação infantil, sala multiúso, direção, secretaria, sala de professores, solários, fraldários, lactário, sala de amamentação, refeitório, pátio não coberto para a instalação de brinquedos infantis, sanitários para alunos e para professores/comunidade, sanitários para pessoas com deficiência, playground, cozinha, despensa, rouparia, lavanderia, vestiários e copa para os funcionários.

 

Cada novo Cepi tem capacidade para atender 188 crianças em turno integral

 

O Cepi Orquídea do Cerrado é administrado pelo Instituto Éden, responsável por cuidar de outras quatro creches públicas do DF. “Nós temos trabalhado para uma sociedade mais justa, humana e feliz. Atendemos, ao todo, cinco Cepis e eu fico muito satisfeita em ter uma administração experiente para orientar pais e crianças”, completou a presidente do instituto, Haidée de Souza Neves.

 

 

Mesmo com toda a infraestrutura pré-definida pelo governo federal para impulsionar a educação psicopedagógica, o Cepi Orquídea do Cerrado foi além. O grande diferencial da creche é a horta comunitária, plantada e regada pelos próprios alunos. Por lá, as crianças cuidam das plantações de tomate, alho e milho.

 

O pequeno Vinycius de Oliveira, de 4 anos, disse que as aulas preferidas dele são aquelas sobre o meio ambiente: “Eu gosto da minha escola e amo plantar e comer tomate nos lanches”.

 

Os alunos do Cepi Orquídea do Cerrado são acolhidos em período integral, o que garante tranquilidade para os pais irem ao trabalho. Das 7h30 às 17h30, são diversas tarefas propostas pela equipe pedagógica para entreter, ensinar e interagir com os pequenos.

 

“Para que as crianças consigam ficar dez horas diárias, é necessário que haja atividades diversificadas. Isso colabora não só no desenvolvimento pedagógico, como também no motor também. Nós traçamos mensalmente as atividades lúdicas que estimulam o desenvolvimento, como brincadeiras ao ar livre e circuitos”, detalhou a coordenadora pedagógica da unidade, Andréia Sousa.

 

O Cepi Orquídea do Cerrado é mais uma das creches entregues aos moradores de Ceilândia. O Centro de Educação da Primeira Infância Papagaio, localizado na EQNP 6/10, foi inaugurado em 2020 e hoje acolhe 112 crianças graças ao investimento de R$ 3.060.454,20 do GDF. O governo ainda trabalha na construção de outras duas unidades em Ceilândia, uma na QNO 18 e outra na QNP 11. As duas demandam recursos de mais de R$ 11,3 milhões para acolher 376 crianças.

 

 

Acolhimento que conforta

 

Entre outras coisas, a estrutura do Cepi inclui 10 salas de atividades para a educação infantil, sala multiúso e parque

 

Um dos maiores anseios dos pais é saber se o filho está sendo bem cuidado na escola onde estuda. A autônoma Jeovania Pereira de Oliveira, 45, teve medo quando tirou o filho da creche particular para matriculá-lo no Cepi Orquídea do Cerrado.

 

“Eu fiquei com muito receio no início, o coração ficava na mão. Quando cheguei e conheci a equipe, eu tive a confiança de deixar meu filho lá. Eu não podia pagar R$ 800 de mensalidade na creche particular. O Cepi está me ajudando muito, principalmente porque vejo no dia a dia que a instituição está preparada para lidar com as crianças”, afirmou.

 

Joyceane Silva Oliveira, 24, é autônoma e mamãe do Levi. Ele foi diagnosticado com transtorno do espectro autista quando tinha 1 ano de idade. Hoje, aos 3 anos, ele é assistido pela equipe do Cepi. Segundo ela, a inauguração da creche ao lado de casa foi crucial para o desenvolvimento do filho.

 

 

“Ele é muito bem acolhido pela equipe da escola. O Levi se desenvolveu muito com as outras crianças. Quando eu o deixo todos os dias, eu fico despreocupada porque eu sei que ele vai receber todo o cuidado necessário”, pontuou. “Com a creche em período integral, eu consigo arrumar a casa e fazer bicos para aumentar a renda da família. Sem a escolinha, eu teria de arrumar uma babá para conseguir trabalhar, o que não compensaria com os gastos que temos hoje.”

 

A atendente Taís da Silva Caetano, 30, tem dois filhos que estudam na creche. Para ela, é visível o desenvolvimento dos pequenos depois que começaram a ir para a escolinha. “O Theo nem sentava há quatro meses. Hoje, ele já anda. O Calleb já está aprendendo a ler e a contar. Com pouco tempo que estão na creche, já ajudou muito no crescimento deles. O que eu mais gosto aqui é do acolhimento. Os dois são um chamego puro com as tias. Isso me tranquiliza”, defendeu.