Polícia Federal faz operação contra fraudes em licitações do DNIT

Caiado entrega 3.409 cartões do Mães de Goiás e 1.500 Chromebooks em Formosa
26 de outubro de 2021
Morador de rua é morto a pauladas no Setor de Clubes Esportivo Sul em Brasília
27 de outubro de 2021
Exibir tudo

Polícia Federal faz operação contra fraudes em licitações do DNIT

Polícia Federal faz operação contra fraudes em licitações do DNIT

Agentes cumprem 22 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal e em São Paulo. Órgão disse que ‘colabora com investigação e visa completa elucidação dos fatos’.

Por Wellington Hanna, Isabela Camargo e Walder Galvão, TV Globo e g1 DF

26/10/2021 07h58  Atualizado há um dia

Polícia Federal deflagrou, nesta terça-feira (26), uma operação contra fraudes em licitações do Departamento Nacional de Infraestrutura (DNIT). Agentes cumprem 22 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal e em São Paulo. Não houve prisões.

De acordo com os policiais, a ação investiga esquema de fraudes em pregões eletrônicos usados para aquisição de móveis pelo órgão. Além dos mandados, a 15ª Vara Criminal Federal do Distrito Federal também determinou bloqueio de bens e valores que somam R$ 12 milhões.

Em nota, o DNIT disse que colabora com a investigação e visa “completa elucidação dos fatos”. O departamento disse ainda que está em contato com órgãos de controle e que “pauta sua atuação dentro da legalidade e lisura, respeitando todos os princípios éticos da administração pública'”.

“As instâncias de integridade da autarquia também estão apurando os fatos a fim de adotar as medidas administrativas que forem necessárias”, informou.

As fraudes nas licitações, segundo a PF, ocorreram entre 2016 e 2017. As investigações identificaram que houve esquema superfaturado na compra de móveis pelo DNIT. A reportagem entrou em contato com o órgão, mas não obteve retorno.

A investigação começou em 2020, a partir de auditoria realizada pela Secretaria de Controle Externo de Contratações Logísticas do Tribunal de Contas da União (Selog/TCU), que revelou existência de um “possível esquema de direcionamento ilícito em pregões eletrônicos e superfaturamento na aquisição de mobiliário para diversos órgãos públicos”.

Influência

Fachada da sede do Dnit, em Brasília — Foto: Google/Reprodução

Fachada da sede do Dnit, em Brasília — Foto: Google/Reprodução

As supostas fraudes, ainda de acordo com a polícia, influenciavam em licitações realizadas por outros órgãos do governo federal, que usavam os preços do DNIT como base para compras de mobiliário. A prática, segundo os investigadores, configura possível existência de um cartel entre empresas com atuação em licitações da administração pública federal.

“Isso possibilitou a aquisição de móveis por outros órgãos sem a realização de licitação, procedimento conhecido como adesão de órgãos caronas, em burla à obrigatoriedade de realização de licitações e aos princípios correlatos mais caros estabelecidos pela Constituição da República e pela Lei de Licitações”, informou a PF.

Segundo a polícia, os suspeitos devem responder pelos crimes de peculato e fraude à licitação, com penas de prisão, que podem chegar a 16 anos. A operação foi batizada de “Burolano”, que significa “o burocrata que trabalha nos escritórios”, segundo a PF.