Polícia cumpre mandados de busca contra ex-governador Zé Eliton em ação que apura desvio de R$ 46 mi na Goinfra

Preservativos são achados ao lado do corpo de mulher raptada após chacina
12 de junho de 2021
Clubes da Série A decidem criar liga para organizar o Campeonato Brasileiro
15 de junho de 2021
Exibir tudo

Polícia cumpre mandados de busca contra ex-governador Zé Eliton em ação que apura desvio de R$ 46 mi na Goinfra

Polícia cumpre mandados de busca contra ex-governador Zé Eliton em ação que apura desvio de R$ 46 mi na Goinfra

Prejuízo foi em contrato entre 2013 e 2018 para obras na GO-230, segundo o delegado. De acordo com as investigações, houve superfaturamento e até contratação ilegal de empresa.

Por Vitor Santana, G1 GO

15/06/2021 13h49  Atualizado há 5 horas

 

A Polícia Civil cumpriu nesta terça-feira (15) mandados de busca contra o ex-governador Zé Eliton e outros seis investigados em uma ação que apura desvio de dinheiro de gestões anteriores da Agência Goiana de Infraestrutura e Transportes (Goinfra). O prejuízo causado seria de R$ 46 milhões. Segundo as investigações, havia um núcleo político e um núcleo financeiro para administrar as fraudes.

 

A defesa do ex-govenador Zé Eliton informou que não vai se manifestar porque não sabe qual o conteúdo da decisão que determinou a busca e apreensão. Já a Goinfra informou que os desvios aconteceram durante gestão anterior, na antiga Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), e que a atual administração está à disposição da polícia para ajudar na investigação.

O nome dos investigados e das empresas que foram alvos não foram divulgados pela Polícia Civil. Com isso, o G1 não conseguiu localizar a defesa dos envolvidos.

 

Segundo a polícia, a fraude aconteceu em um contrato assinado em 2013 e que durou até 2018 para obras na GO-230, entre Água Fria de Goiás e Mimoso de Goiás. O delegado Luiz Gonzaga Junior explicou que houve superfaturamento e contratação ilícita de uma empresa.

“Essa empresa [ganhadora da licitação] usava de diversos subterfúgios, como superfaturamento da obra, a descaracterização total do objeto que foi licitado, bem como uma subcontratação ilegal de uma empresa que sequer participou da licitação”, explicou.

 

Ao todo foram cumpridos 12 mandados de busca e apreensão em Goiânia e Palmas (TO) contra sete pessoas e sete empresas.

Operação policial em Goiás

“Nós apuramos a existência de um grupo financeiro e um núcleo politico que garantia a gestão e manutenção deste contrato. Esse núcleo político garantia o pagamento das medições realizadas e o núcleo financeiro girava esse dinheiro do grupo de forma a transparecer um caráter lícito, configurando a lavagem de dinheiro”, disse o delegado.

Na casa de um dos suspeitos, a polícia encontrou R$ 165 mil escondidos dentro de pacotes em um vaso de plantas. Após a apreensão de documentos e equipamentos eletrônicos dos investigados e empresas, a polícia pretende estabelecer a ligação de cada pessoa dentro do suposto esquema criminoso.

 

Segundo a polícia, a empresa investigada já não é mais responsável pela obra na GO-230, que ainda está em andamento. Uma companhia que tinha participado da licitação inicial assumiu a continuidade do trabalho.

Obra em rodovia estadual de Goiás

Obra inacabada na GO-230 entre Águas Lindas de Goiás e Mimoso de Goiás — Foto: Reprodução/TV Anhanguera