Pai e os dois filhos são mortos a tiros e facadas em área rural no DF; mãe está desaparecida

Mulher morta a facadas pelo marido havia feito 6 denúncias contra ele
8 de junho de 2021
Após matar mãe e irmã com golpes de faca, jovem procura a PM e se entrega em MG: ‘Disse ter cometido uma bobagem’
10 de junho de 2021
Exibir tudo

Pai e os dois filhos são mortos a tiros e facadas em área rural no DF; mãe está desaparecida

Crime ocorreu em Ceilândia; caso é investigado como triplo homicídio. Polícia Civil também apura possibilidade de sequestro e cárcere privado.

Por Sthefanny Loredo e Walder Galvão, TV Globo e G1 DF

09/06/2021 09h12  Atualizado há 38 minutos

 

Um homem de 48 anos e os dois filhos, um jovem de 21 anos e um adolescente de 15, foram encontrados mortos, nesta quarta-feira (9), com marcas de facadas e tiros, em Ceilândia, no Distrito Federal. Segundo a Polícia Civil, a mãe e esposa das vítimas, de 43 anos, não foi encontrada em casa. Cleonice Marques de Andrade está desaparecida.

 

O crime foi registrado como “triplo homicídio”, sequestro e cárcere privado. O caso é investigado pela 24ª Delegacia de Polícia, localizada no Setor O, em Ceilândia. Agentes da Divisão de Repressão ao Sequestro (DRS) tentam localizar a mulher desaparecida, identificada como Cleonine Marques de Andrade.

Segundo a Polícia Civil, as vítimas são o pai Cláudio Vidal, o filho mais velho Gustavo Vidal e o adolescente Carlos Eduardo Vidal.

O Corpo de Bombeiros foi chamado por familiares das vítimas para prestar o socorro, por volta das 2h40, mas quando os militares chegaram ao local, os três já estavam mortos.

Os bombeiros informaram ainda que realizaram buscas nas proximidades da residência, no Núcleo Rural Alexandre Gusmão, mas não encontraram Cleonice. Em seguida, as polícias Militar e Civil foram acionadas.

 

A PM informou que também fez buscas com apoio de cães farejadores, mas não conseguiu localizar a mulher. Em seguida, a Polícia Civil assumiu o caso.

 

Triplo homicídio no Incra, em Ceilândia

24ª Delegacia de Polícia do DF, em imagem de arquivo — Foto: PCDF/Divulgação