Mulher atira e mata namorado em Águas Claras, no DF; polícia fala em ‘disparo acidental’

Jovem invade escola e mata três crianças e dois adultos no Oeste de SC
4 de maio de 2021
Agente da PRF é morto pela namorada com tiro na cabeça, em Anápolis
4 de maio de 2021
Exibir tudo

Mulher atira e mata namorado em Águas Claras, no DF; polícia fala em ‘disparo acidental’

Caso aconteceu na madrugada de sábado (1°). Imagens mostram que autora pegou arma em cima de mesa, apontou para vítima e disparou.

Por Walder Galvão, G1 DF

04/05/2021 12h55  Atualizado há 5 horas

Uma mulher atirou e matou o próprio namorado, de 26 anos, no Areal, região de Águas Claras, no Distrito Federal. O caso ocorreu na madrugada de sábado (1°) e, de acordo com a Polícia Civil, o disparo foi acidental.

 

Um vídeo registrou o momento em que a vítima é baleada. A autora pegou a arma de fogo, que estava em cima de uma mesa, apontou para o namorado e, em seguida, atirou. O circuito de segurança mostra que o incidente aconteceu durante a madrugada, às 3h02.

As imagens mostraram que o jovem, ferido, ainda andou pelo local e foi socorrido por pessoas que estavam próximas. Após atirar, a namorada permaneceu sentada por alguns instantes, enquanto a vítima era socorrida.

 

Mulher atira em namorado em Águas Claras, no DF — Foto: Arquivo pessoal

Mulher atira em namorado em Águas Claras, no DF — Foto: Arquivo pessoal

 

De acordo com a Polícia Civil, o homem baleado foi levado por familiares a um hospital particular de Taguatinga Sul, mas não resistiu e morreu na unidade de saúde.

‘Disparo acidental’

O caso foi registrado na 21ª Delegacia de Polícia, de Taguatinga Sul, como homicídio culposo – quando não há intenção de matar – e porte ilegal de arma de fogo de uso permitido.

Após o incidente, a mulher se apresentou à delegacia, acompanhada de um advogado. Ela foi liberada após assinar documento em que se compromete a se apresentar espontaneamente quando for convocada.

O delegado à frente do caso, Alexandre Gratão, da 21ª Delegacia de Polícia, explicou que o porte ilegal de arma de fogo de uso permitido é configurado neste caso porque a arma, apesar de regular, não pertencia à autora dos disparos. Segundo a polícia, a arma pertence a um amigo do casal.

“Foi uma tragédia. Em respeito às famílias, não comentarei sobre esse caso”, disse o delegado.