MP-GO cumpre mandados contra empreiteiros e ex-servidores da antiga Agetop por desvios de R$ 400 milhões em obras

Dono de postos de gasolina morre, aos 24 anos, atropelado por ônibus
30 de julho de 2021
Após 30 anos de espera, Santa Maria ganha seu 1º terminal rodoviário
30 de julho de 2021
Exibir tudo

MP-GO cumpre mandados contra empreiteiros e ex-servidores da antiga Agetop por desvios de R$ 400 milhões em obras

Segundo o órgão, a apuração é relacionada a 10 construções. São cumpridos 21 mandados de busca em Goiânia, Aparecida de Goiânia e Senador Canedo.

Por Rafael Oliveira, G1 GO

30/07/2021 09h01  Atualizado há 3 horas

 

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) cumpriu 21 mandados de busca e apreensão contra empreiteiros e ex-servidores da antiga Agência Goiana de Transportes e Obras Públicas (Agetop) por supostos desvios de R$ 400 milhões em dez obras públicas.

Os nomes dos suspeitos não foram divulgados pelo MP. Por isso, o G1 não localizou a defesa para se manifestar.

A Agência Goiana de Infraestrutura e Transportes (Goinfra), como é chamada agora, informou que a investigação apura desvio de recursos públicos ocorridos antes de 2019. “A atual gestão da agência está à disposição das autoridades e tem contribuído de todas as maneiras possíveis com o trabalho do Ministério Público de Goiás”, diz o comunicado.

Os mandados foram cumpridos nas cidades de Goiânia (19), Aparecida de Goiânia (1) e Senador Canedo (1).

A Operação “Old School” apura crimes de corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica, organização criminosa e lavagem de dinheiro, praticados por servidores públicos e empresários do ramo da construção civil.

O MP-GO não informou se serão cumpridos mandados de prisão contra suspeitos nem detalhes sobre as obras e valores que as empreiteiras receberam. Também não foi repassado informação se as obras foram concluídas ou não.

Como funcionava o esquema:

 

Empreiteiras faziam pagamentos indevidos a fiscais responsáveis pelas medições das obras. Esses pagamentos eram feitos por intermediários;

As vantagens indevidas não eram só em pagamento, mas também por meio de outras vantagens, como a contratação de motorista particular para o fiscal de obra, por exemplo;

O MP disse que existem elementos que sinalizam esquema de intermediação pelos fiscais de obras na indicação e subtração de prestadores de serviços para as construtoras, com recebimento de percentual do serviço;

Além disso, o Ministério Público apura a existência de sócios ocultos nas empresas investigadas.

imagem

Ministério Público de Goiás MP-GO — Foto: Divulgação MP-GO