MP cumpre mandados de busca e prende suspeitos de desviar mais de R$ 3 milhões em remédios, em Formosa

Filha viu o pai matar a mãe com tiro na cabeça: “Como você fez isso?”
18 de outubro de 2021
Paranoá ganha UPA com capacidade de atender 4,5 mil pessoas por mês
18 de outubro de 2021
Exibir tudo

MP cumpre mandados de busca e prende suspeitos de desviar mais de R$ 3 milhões em remédios, em Formosa

MP cumpre mandados de busca e prende suspeitos de desviar mais de R$ 3 milhões em remédios, em Formosa

Ex-secretário e empresa investigados pagavam notas fiscais em duplicidade na compra de medicamentos e produtos odontológicos. Os mandados foram cumpridos em Formosa, Goiânia e Brasília.

Por Rafael Oliveira, g1 Goiás

18/10/2021 15h01  Atualizado há uma hora

O Ministério Público de Goiás e a Polícia Civil cumpriram seis mandados de busca e apreensão de documentos e dois de prisão temporária, nesta segunda-feira (18), contra suspeitos de desviar R$ 3,5 milhões da Secretaria Municipal de Saúde de Formosa, no Entorno do Distrito Federal (DF), com a compra de remédios e produtos odontológicos.

Os mandados foram cumpridos em FormosaGoiânia e Brasília (DF). Os alvos foram a Pró-Saúde Distribuidora de Medicamentos e a JBV Assessoria e Contabilidade Pública e Governamental.

Os investigados alvos de prisão temporária foram Francisco Carlos Soares de Souza, dono da distribuidora Pró-Saúde, e o ex-secretário de Saúde de Formosa Tibério Fábio Soares de Freitas. A ex-chefe do almoxarifado da Secretaria de Saúde Verônica da Silva Soares, esposa de Tibério Soares, também foi alvo de busca e apreensão.

g1 não conseguiu contato com as defesas de Francisco Carlos Soares de Souza e de Tibério Fábio Soares de Freitas.

O dono da JBV Contabilidade, Vinícius Henrique Pires Alves, disse que foi surpreendido com o mandado de busca, já que seus funcionários foram ouvidos na investigação e mostraram como funciona os registros contábeis da empresa.

MP e Polícia Civil cumprem mandados de busca e de prisão em Formosa, Goiás — Foto: Reprodução/Ministério Público de Goiás

MP e Polícia Civil cumprem mandados de busca e de prisão em Formosa, Goiás — Foto: Reprodução/Ministério Público de Goiás

“Não temos relação pessoal com nenhum dos investigados. A empresa recebe os dados do município para liquidar, com os atestes de todos os gestores. A gente contabiliza o volume mensal de dados. Não tem como nós, contadores, sabermos se há algo ilícito em uma ou outra nota fiscal”, ponderou Vinícius Alves.

A assessoria de comunicação da Secretaria de Saúde de Formosa informou que os investigados não são mais servidores da Prefeitura e que aguarda parecer do departamento de jurídico para se manifestar sobre a operação. Ressalta ainda que os investigados não tem ligação com a atual gestão do município e que as informações necessárias à continuidade da investigação foram repassadas ao Ministério Público.

A investigação desenvolvida pelo MP nos últimos seis meses identificou a suposta fraude entre 2017 e 2019. A JBV Contabilidade prestou serviços para o município neste mesmo período da investigação, segundo a promotoria.

Fraude

O esquema consistia na emissão de notas fiscais pela empresa Pró-Saúde em nome do Fundo Municipal de Saúde de Formosa, que eram pagas em duplicidade pelos cofres públicos com o envolvimento dos investigados Tibério Soares e Verônica Soares.

Da mesma forma, foram identificados pagamentos de notas fiscais referentes a supostos fornecimentos de medicamentos sem a observância do devido processo de pagamento, e em uma ordem de privilégio determinada pelo então secretário, que favorecia as empresas por ele escolhidas, dentre elas, a Pró-Saúde.

Segundo a investigação, a conciliação bancária e contábil, assim como o maquiamento das contas irregulares e das informações encaminhadas ao Tribunal de Contas dos Municípios, via sistema eletrônico, ocultando as ilegalidades, se dava com a supervisão, orientação e apoio da empresa de contabilidade JBV, contratada sem licitação.

Em caso de condenação, o MP afirma que os investigados podem pegar penas de prisão de seis a 20 anos.

A investigação continua para identificar outros envolvidos, empresas, e agentes políticos que participaram e se beneficiaram financeiramente do esquema. Alguns deles não mais integrando a administração do município, assim como recuperar o dinheiro desviado.

Veja outras notícias da região no  O Diário do Planalto  Goiás.