Morador de rua é morto a pauladas no Setor de Clubes Esportivo Sul em Brasília

Polícia Federal faz operação contra fraudes em licitações do DNIT
27 de outubro de 2021
TSE cassa mandato do deputado Fernando Francischini por fake news
28 de outubro de 2021
Exibir tudo

Morador de rua é morto a pauladas no Setor de Clubes Esportivo Sul em Brasília

Morador de rua é morto a pauladas no Setor de Clubes Esportivo Sul em Brasília

Câmeras de segurança flagraram momento em que três suspeitos golpearam diversas vezes o morador de rua

Edis Henrique Peres

postado em 27/10/2021 12:08 / atualizado em 27/10/2021 12:30

Um morador de rua foi encontrado morto na manhã desta quarta-feira (27/10), próximo à Associação dos Delegados de Polícia (Adepol), no Setor Esportivo de Clubes Sul. Câmeras de segurança do comércio local flagraram o momento em que o homem foi agredido até a morte.

Segundo as investigações, o morador de rua dormia na calçada de um prédio comercial quando foi vítima da violência. As agressões aconteceram por volta das 3h da manhã e três suspeitos foram flagrados no vídeo golpeando o homem com pedaços de pau. O morador tentou fugir, mas caiu e recebeu novos golpes.

A polícia investiga se os agressores também eram moradores de rua. Pela manhã, agentes fizeram ronda nas proximidades, em busca de localizar os suspeitos.

 (crédito: Ed Alves/CB/DA Press)

(crédito: Ed Alves/CB/DA Press)

Desespero

Quem encontrou o corpo do morador de rua foi uma funcionária do comércio local, 22 anos, que preferiu não ser identificada. A mulher chegou para o trabalho por volta das 7h, quando estranhou a imobilidade do morador.

“Pensei que ele estivesse dormindo, mas quando fui olhar pela janela, vi que estava ferido”, conta. A jovem acionou o Corpo de Bombeiros Militar do DF e a Polícia Militar em busca de ajuda.

“Eu estava sozinha ainda, porque sou a primeira a chegar”, relata. A jovem conta que ocasionalmente o morador dormia nas proximidades. “Eles vinham para fugir da chuva. Quando dava, de manhã, ele dava um joinha e ia embora”, conta.

A testemunha revela que muitos moradores de rua dormem na Ponte Juscelino Kubitschek (JK), e que, pela manhã, quando precisa fazer o percurso da parada até o trabalho, passa com medo no local. “Tem muito consumo de droga. Ele (a vítima) era o morador mais tranquilo deles”, finaliza