Mãe e padrasto são presos suspeitos de matar criança espancada em Trindade

Motociclista morre após ser atingido por caminhonete e arrastado por mais de 20 metros em Anápolis
14 de setembro de 2021
Jovem de 19 anos é assassinado a tiros no Sol Nascente
14 de setembro de 2021
Exibir tudo

Mãe e padrasto são presos suspeitos de matar criança espancada em Trindade

Mãe e padrasto são presos suspeitos de matar criança espancada em Trindade

Menina de 3 anos apresentava vários hematomas e fraturas pelo corpo. Ela foi levada a uma unidade de saúde e os médicos chamaram o Conselho Tutelar.

Por Vitor Santana, G1 GO

14/09/2021 10h46  Atualizado há 4 horas

A mãe e o padrasto de uma menina de 3 anos foram presos nesta terça-feira (14) suspeitos de matar espancada a criança, em Trindade, na Região Metropolitana de Goiânia. A vítima foi agredida há dois dias e apresentava vários hematomas e fraturas.

A delegada Silvana Nunes informou que ainda investigará a motivação do crime. Inicialmente, a mãe negou os fatos. “Eles alegaram que ela tinha caído do parquinho. Depois, alegaram que um outro filho deles, de 6 anos, que tinha batido na irmã, mas a versão deles não correspondia com as provas das lesões”, disse a delegada.

Porém, ao final, segundo Silvana, a mãe acabou confessando. Já o padrasto ficou em silêncio. Eles não apresentaram advogados.

“A mãe confessou que a criança foi espancada no domingo [12] e somente nessa madrugada ela encaminhou para a UPA após os vizinhos alertarem que ela estava mal”, contou.

Marcas de agressão em menino de 6 anos em Trindade — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Marcas de agressão em menino de 6 anos em Trindade — Foto: Polícia Civil/Divulgação

A polícia ainda investiga a possível agressão ao irmão da menina.

“Tanto o filho de 6 anos quanto a vítima de 3 anos apanharam, foram espancados pela mãe. Ela confessou que deu murros, pontapés. O menino apresenta lesões nas costas e alega que apanhava com bambu”, completou a delegada.

Diante dos indícios e dos depoimentos, a polícia acredita que as crianças eram vítimas de torturas constantes cometidas pela mãe e com a omissão e também participação do padrasto.