Complexo Cultural

O governo não ouviu os artistas da cidade e o projeto original foi mudado, mesmo parecendo um galpão, vai atender a demanda cultural da cidade

 

                                                                          Foto: redes sociais  

Por: Railane Branco 

             Projeto criado para expandir a cultura em Planaltina deu início as obras em junho de 2016. Depois de décadas de luta e população mobilizada, Planaltina vai ganhar o seu complexo cultural. O espaço será sede para a criação dos artistas da cidade e pretende reunir os moradores em prol da expansão cultural da região. O investimento no complexo é de R$ 3.444.160,42, o projeto é da Administração Regional de Planaltina, além de salas multiuso, sala de dança e espaço para exposições de arte, a estrutura terá auditório coberto para 450 lugares, teatro de arena, três salas para oficinas pedagógicas, seis banheiros, estacionamento para 84 veículos, hall de exposições, bilheteria, sala de reuniões, administração e recepção. O complexo agora está sob a responsabilidade do GDF e ainda não tem data definida para inauguração, uma vez que ainda falta o mobiliário e a definição do modelo de gestão, os recursos são provenientes da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) e de emenda parlamentar.

O que diz o presidente do conselho regional cultural de Planaltina DF, Célio Rodrigues.

O projeto da casa do complexo cultural que está hoje, não é nada daquele projeto que a gente imaginava que a gente lutou ao longo das três décadas, que o governou apresentou, quando a gente estava assumindo o conselho de cultura. Nós interferimos, dando sugestões, ouve algumas mudanças paliativas, mas ainda longe de ser chamado de complexo de cultura. Temos falhas estruturais com péssima acústica, não tem ventilação no principal auditório. As salas não estão preparadas e adequadas para ministrar cursos de artes.  Além do teatro, salas para multiuso, para ensaios, banda de música, grupo folclórico, grupo de dança, espaço para artesanato, ministrar cursos de artes e culturais. Na realidade, não foi uma vontade do governador, se não fosse o empenho do deputado Claudio Abrantes, esse projeto não tinha saído.

Na verdade, os técnicos da administração regional não nos ouviram, fechando os olhos para o problema. Já que não estavam inclusos os ar condicionado, pedimos para deixa pelo menos os pontos para que os mesmo sejam instalados futuramente, deixar o espaço para a elétrica, deixar o espaço para escoamento da água do ar condicionado. O telhado é de metal, com a chuva faz barulho, e se tiver tendo um espetáculo como vai ficar? Colocaram um abafo e vai amenizar um pouco, poderá ser até corrigido, mas terá um custo maior. Outra coisa, já nos reunimos com o secretário de cultura e estamos discutindo algumas questões como o imobiliário, poltronas, iluminação, e quem irá administrar o espaço da casa da cultura.

 

 

 

 





















Todos os Direitos Reservados Home Comunicacão e Gráfica