Grupo é suspeito do desvio de R$ 1,5 mi em licitações no Entorno do DF

Homem de 27 anos é morto a tiros em quadra de esportes do DF
26 de junho de 2021
Após ter carro roubado, corpo de homem é encontrado em córrego
29 de junho de 2021
Exibir tudo

Grupo é suspeito do desvio de R$ 1,5 mi em licitações no Entorno do DF

Fraudes teriam ocorrido na compra de fórmulas nutricionais especiais para o município de Formosa; ação de MPGO e PCGO prendeu três pessoas

Almiro Marcos

28/06/2021 12:04,atualizado 28/06/2021 12:44

Goiânia – Um grupo é suspeito de desvios na ordem de R$ 1.500.000,00 em licitações para aquisição de fórmulas nutricionais especiais no município de Formosa (GO), no Entorno do Distrito Federal. O Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) e a Polícia Civil (PCGO) prenderam, na manhã desta segunda-feira (28/6), três pessoas e cumpriram seis mandados de busca e apreensão.

A chamada operação Ahab investiga justamente a quadrilha suspeita de fraude a licitações e corrupção. Os mandados de prisão temporária e de busca e apreensão foram expedidos pelo juiz Fernando Oliveira Samuel da Vara Criminal de Formosa.

Operação Ahab, parceria entre MPGO e PCGO, contra esquema de desvios em licitações em Formosa (GO)

Divulgação/MPGO

 

Prisões

Foram decretadas as prisões dos empresários Karine Daniela Ribeiro da Silva e Daniel Pereira da Silva, proprietários da empresa Max Comércio, além da servidora pública Aline Aparecida da Silva. Todos os três também são alvos de busca e apreensão, além do empresário Bruno Lima Calazans, proprietário da empresa Aster Medico, onde os agentes também cumprem busca.

Investigações realizadas pelo MPGO e pela Polícia Civil identificaram que os investigados se associaram com o objetivo de fraudar licitações milionárias voltadas para a aquisição de fórmulas nutricionais especiais pelo Fundo Municipal de Saúde nos anos de 2017 a 2019.

Conforme a apuração, as empresas e seus proprietários, agiram em um esquema de cobertura mútua e falsificação de documentos. Eles contariam com o auxílio da servidora Aline Aparecida, ligada à Comissão de Licitações. A associação entre o grupo teria produzido orçamentos superfaturados em valores que chegaram a ultrapassar cem por cento dos praticados no mercado.

A operação é coordenada pelo promotor de Justiça Douglas Chegury e pelo delegado Regional José Antônio Sena, e conta com o apoio de dezenas de policiais civis.

Crimes

Os investigados responderão a processo criminal pelos delitos de fraude a licitações, superfaturamento, corrupção passiva, falsificação de documentos e quadrilha, e estão sujeitos a mais de dez anos de prisão.

As investigações terão prosseguimento para identificar e responsabilizar outros envolvidos nas fraudes.

Metrópoles não conseguiu contato com os advogados dos investigados. O espaço segue aberto para manifestação.

Livro

O nome da operação é uma referência ao personagem do escritor norte americano Herman Melville, Capitão Ahab, que caçou a baleia branca Moby Dick pelos sete mares a bordo do baleeiro Pequod, como narrado no consagrado romance.

Operação Ahab, parceria entre MPGO e PCGO, contra esquema de desvios em licitações em Formosa (GO)

Divulgação/MPGO

Fonte: Metrópoles