Gabinete do deputado Daniel Donizet, do PL, é alvo de operação que investiga ‘rachadinha’ na Câmara Legislativa do DF

Idosa de 74 anos morre após ser atropelada por carro no Gama, no DF
14 de dezembro de 2021
Deputado Reginaldo Sardinha e Paulo Octávio são alvos de operação que investiga superfaturamento em aluguel de prédio pelo GDF
15 de dezembro de 2021
Exibir tudo

Gabinete do deputado Daniel Donizet, do PL, é alvo de operação que investiga ‘rachadinha’ na Câmara Legislativa do DF

Gabinete do deputado Daniel Donizet, do PL, é alvo de operação que investiga ‘rachadinha’ na Câmara Legislativa do DF

Investigação começou em 2019, após denúncias de que servidores do gabinete fraudavam folhas de ponto e repassavam parte do salário ao deputado. Parlamentar disse que informações ‘são completamente infundadas’.

Por Afonso Ferreira, Letícia de Oliveira e RIta Yoshimine, TV Globo

14/12/2021 06h47  Atualizado há uma hora

A Polícia Civil e o Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT) cumpriram mandados de busca e apreensão no gabinete do deputado distrital Daniel Donizet (PL), na Câmara Legislativa (CLDF), na manhã desta terça-feira (14), para investigar denúncias de “rachadinha” envolvendo assessores do parlamentar.

A operação, chamada de “Melinoe” – em referência à deusa grega dos fantasmas, segundo a polícia – apontou que os servidores repassavam parte do salário ao deputado distrital, por meio do chefe de gabinete, e assinavam as folhas de ponto, mas não compareciam à CLDF, mesmo antes da implementação do trabalho remoto, devido à pandemia de Covid-19.

Em nota, Daniel Donizet afirmou que as denúncias “são completamente infundadas”. O parlamentar disse ainda que não teve acesso ao inquérito policial para entender o que motivou as buscas.

Operação cumpre mandados de busca em apreensão na CLDF — Foto: TV Globo/Reprodução

Operação cumpre mandados de busca em apreensão na CLDF — Foto: TV Globo/Reprodução

TV Globo apurou que, a partir das denúncias, foram identificados, até agora, sete servidores-fantasma no gabinete, inclusive um cantor sertanejo que recebia salário com dinheiro público, mas não aparecia para trabalhar.

Os investigadores apontam que o suposto esquema ocorre desde o começo do mandato, em 2019. O prejuízo aos cofres públicos é estimado em mais de R$ 1 milhão. São investigados os crimes de corrupção, peculato, prevaricação e falsidade ideológica.

Operação Melinoe

A investigação começou em 2019, após denúncias que alguns servidores não exerciam suas funções. Os nomes dos demais envolvidos, no entanto, não foram divulgados.

Durante a operação, agentes também cumpriram os mandados judiciais em Luziânia (GO) e Valparaíso, no Entorno do Distrito Federal, além de Águas Claras e Gama.

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Repressão à Corrupção (DRCOR/DECOR), apreendeu R$ 110 mil em espécie.

Pela manhã, apesar da operação policial, os trabalhos na Câmara Legislativa não foram suspensos. Na pauta desta terça-feira (14) está prevista uma sessão extraordinária para votar pelo menos 32 projetos do Executivo. A expectativa é que as propostas aprovadas sejam sancionadas pelo governador Ibaneis Rocha (MDB) antes do Natal.

 

Veja mais notícias da região no O Diário do Planalto 

O novo portal de noticias do Distrito FederalRegião Norte do DF e Entorno