Ex-superintendente de Trânsito de Formosa é preso suspeito de corrupção

Mulher é presa suspeita de matar o marido a tesouradas para se defender de agressão em Planaltina
6 de outubro de 2021
Padrasto é preso suspeito de matar enteado sufocado com travesseiro, em Águas Lindas de Goiás
7 de outubro de 2021
Exibir tudo

Ex-superintendente de Trânsito de Formosa é preso suspeito de corrupção

Ex-superintendente de Trânsito de Formosa é preso suspeito de corrupção

Suspeitos teriam um esquema que supostamente arrecadou R$15 mil em um mês com dinheiro obtido por meio de liberação de veículos irregulares

Em 06/10/2021 12:39

Larissa Feitosa

Do Mais Goiás

Um ex-superintendente da secretaria municipal de trânsito , Antônio Carlos Martins, tenente reformado da Policia Militar do Estado de Goiás e a assessora dele, uma Guarda Civil Municipal, estão presos suspeitos de corrupção na administração pública de Formosa.

Eles teriam um esquema que supostamente arrecadava cerca de R$ 15 mil, ao liberarem veículos irregulares mediante a pagamento indevido. Segundo a Polícia Civil, os crimes ocorreram no ano passado.

Ex-superintendente de Trânsito de Formosa é preso suspeito de corrupção

Como funcionava o esquema de corrupção?

Segundo os investigadores, os suspeitos recebiam veículos apreendidos por irregularidades administrativas. Em teoria, esses veículos só poderiam voltar à circulação caso regularizassem as pendências administrativas, por exemplo o pagamento de multas.

No entanto, os suspeitos cobravam dos proprietários um valor indevido e bastante acima do mercado para liberarem os automóveis sem a necessidade da regularização dele. Ou seja, um veículo que havia sido apreendido de forma correta, acabava por voltar às ruas sem que o problema fosse resolvido.

De acordo com o delegado José Antônio Sena, estima-se que os suspeitos cobravam entre R$ 500 e R$ 800 pela liberação dos automóveis. E, em geral, recebiam por mês cerca de 20 veículos. Mensalmente, então, os investigados teriam arrecadado até R$ 15 mil por mês.

Porém, o investigador ressalta que esse valor ainda pode ser atualizado. Isso porque, a investigação ainda não soube precisar há quanto tempo o esquema criminoso acontece.

Os suspeitos

Ainda segundo o delegado, a Justiça concedeu o direito de prisão preventiva dos suspeitos pois eles ainda poderiam estar atuando e, principalmente, poderiam atrapalhar as investigações. O ex-superintendente era um tenente da reserva aposentado, que exercia o cargo publico. Enquanto a mulher era guarda municipal e também assessora dele.

“Existem outros suspeitos de participação no crime. A gente acredita também que existia um esquema de ateio no contrato do guincho que conduzia o carro até a SMT. Assim, o carro, por exemplo, só era liberado depois de pagar um valor indevido”, explicou o delegado.

A reportagem entrou em contato com Secretaria Municipal de Transporte de Formosa por e-mail, a fim de saber sobre o posicionamento da pasta a respeito da investigação e quais medidas eles irão tomar. No entanto, não obteve retorno até a publicação da reportagem.

Entenda o que iniciou as investigações por corrupção na administração de Formosa

Ao Mais Goiás, o delegado ainda explicou o que motivou o iniciou das investigações. Segundo ele, um carro que havia sido preso em um dia durante uma fiscalização, apresentava diversas irregularidades administrativas.

Porém, no dia seguinte, esse caro já estava circulando pelas ruas. Ainda no dia seguinte da primeira apreensão, o veículo foi novamente apreendido. O fato do pouco tempo levantou suspeitas das autoridades.

Ao todo, o inquérito policial apura a prática dos crimes de associação criminosa, peculato, corrupção e receptação.

*Larissa Feitosa compõe programa de estágio do Mais Goiás sob supervisão de Hugo Oliveira.

Fonte: Do Mais Goiás