PCDF investiga fraude em lavanderia do Hospital Regional de Sobradinho

Homem de 36 anos morre em acidente entre carro e moto em rodovia do DF
24 de setembro de 2021
Reuniões com lideranças vão definir futuro político de Sergio Moro
24 de setembro de 2021
Exibir tudo

PCDF investiga fraude em lavanderia do Hospital Regional de Sobradinho

PCDF investiga fraude em lavanderia do Hospital Regional de Sobradinho

Mandados de busca e apreensão são cumpridos no hospital público do DF e na sede da Secretaria de Saúde

Mirelle Pinheiro

24/09/2021 7:32,atualizado 24/09/2021 10:15

Equipes do Departamento de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Decor) cumprem mandados de busca e apreensão, na manhã desta sexta-feira (24/9), no Hospital Regional de Sobradinho (HRS) e na sede da Secretaria de Saúde, na Asa Norte. Os policiais civis apuram fraude em contratos de lavanderia do HRS. A ação foi batizada de Roupa Suja.

A apuraçaõ, coordenada pela Delegacia de Repressão a Corrupção, teve início em junho de 2021 com base em denúncia anônima que trouxe a informação de que o superfaturamento estaria ocorrendo por meio da alteração da pesagem diária das roupas encaminhadas para lavagem pelo hospital. O Metrópoles apurou que a empresa investigada é a Lavanderia Duelav. O denunciante disse ainda que a conduta criminosa contaria com a participação de agentes públicos da unidade de saúde e dos administradores da lavanderia.

De acordo com a PCDF, as diligências já realizadas permitiram identificar provas que corroboram integralmente com as suspeitas. Para os policiais, há fortes indícios de que a pesagem vem sendo feita de forma absolutamente irregular e precária, sem as devidas cautelas formais, o que, em tese, viabiliza a adulteração de valores e o desvio de verbas públicas.

PCDF faz operação para investigar fraude no Hospital Regional de Sobradinho

A delegacia verificou que os valores movimentados com o serviço de lavanderia sofreram aumentos progressivos significativos, ainda que se considere a inflação. “A título de exemplo, tem-se que, entre os anos de 2018 e 2019, o montante desembolsado pelo poder público subiu cerca de 300%. No ano de 2020, o montante cresceu novamente em percentual aproximado de 60%”, explicou a corporação.

O contrato vigente, celebrado entre a lavanderia e a Secretaria de Saúde, é de aproximadamente R$ 3 milhões, e já se trata do terceiro termo aditivo. O montante total já movimentado é de aproximadamente R$ 6 milhões.

No total, cerca de 60 policiais do Decor cumprem nove mandados de busca e apreensão em endereços vinculados aos investigados, no DF e nas cidades de Anápolis e Caldas Novas, em Goiás. Entre os locais alvo da operação estão as residências dos agentes públicos e empresários, a sede da pessoa jurídica contratada, o Hospital Regional de Sobradinho e a sede da Secretaria de Saúde.

Crise

A operação ocorre em meio a uma crise instalada no HRS. A Secretaria de Saúde decretou bandeira negra na unidade devido a um apagão registrado na quarta-feira (22/9). Na ocasião, pacientes precisaram ser transferidos para outros hospitais às pressas. Pessoas com quadro clínico considerado grave foram direcionadas ao Hospital Regional da Asa Norte (Hran). As de risco habitual, para o Hospital Universitário de Brasília (HUB) e Hospital Região Leste, o antigo Hospital do Paranoá.

A bandeira negra é decretada em casos excepcionais. Em resumo, a unidade de saúde foi fechada total ou parcialmente para receber novos pacientes. Esta foi a segunda vez em 13 dias que um hospital público do DF teve o estado de emergência decretado.

Nessa quinta-feira (23/9), o secretário de Saúde do DF, general Manoel Pafiadache, visitou a unidade e disse que “foram tomadas as medidas corretas e rápidas para restabelecer a assistência” aos bebês internados no espaço atingido.

Ao Metrópoles a pasta disse que vai colaborar com as investigações, “disponibilizando todas as informações solicitadas pela polícia, de maneira transparente e de acordo com a legislação”.

PCDF/Divulgação

Fonte: Metrópoles